Guedes faz brincadeira com tragédia que matou 270 pessoas; “Se todo mundo falar ‘vamos furar o teto’, eu viro Brumadinho”; sem dó de vítimas

Chamado pelo presidente Jair Bolsonaro de “Posto Ipiranga” do governo para temas econômicos, o ministro Paulo Guedes rechaçou nesta sexta-feira, 18, o carimbo de “superministro” e disse ser “o mais vulnerável” e “demissível em cinco minutos”. Pressionado de forma recorrente a aumentar gastos, Guedes se comparou a uma represa e afirmou que, se todos os colegas de Esplanada partirem para cima dele em busca de mais despesas, ele vira Brumadinho – em alusão à represa da mineradora Vale que se rompeu, despejou toneladas de rejeitos e matou 270 pessoas.

“Nunca acreditei que sou superministro de nada. Sou demissível em cinco minutos. Quem é que é super se pode ser demissível em cinco minutos? Não existe isso. Uma pessoa que pode ser demitida em cinco minutos não é ser super nada, só se for bobo, só se achar que tem um poder que não tem. Eu sou ministro como os outros e sou o mais vulnerável, sempre fui, sempre disse isso nas nossas reuniões de ministros”, disse Guedes em coletiva virtual para apresentar um balanço de fim de ano.

O ministro disse que tem atuação transversal na Esplanada e, por isso, se comparou a uma represa. Ele afirmou que pode atuar como Itaipu, gerando energia para todo o governo, ou Brumadinho, a represa que foi palco da tragédia no início de 2019, caso todos os ministros comecem a pressionar por gastos e queiram furar o teto de gastos, a regra que limita o avanço das despesas à inflação.

“Se todo mundo partir ao mesmo tempo para falar ‘vamos furar o teto’, viro Brumadinho. O troço vaza, vai embora, em três, quatro meses estou no chão. Não tenho a menor ilusão quanto a isso”, disse.