Governo promete melhor rentabilidade para o Fundo de Garantia, mas não agora

Os estudos do Ministério da Economia para mudar regras do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) incluem mexer nas alíquotas cobradas de trabalhadores e empregadores, criar a possibilidade de sacar os recursos e ainda elevar a rentabilidade, afirmou nesta quinta-feira, 9, o secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues. 

“Para o FGTS, está sendo pensado passar por uma reforma, incluindo mudar a rentabilidade, que hoje é negativa”, afirmou Rodrigues, nesta quinta-feira, 9, no Rio.

Hoje, a rentabilidade do dinheiro no FGTS é de 3% ao ano mais taxa referencial, que está zerada. A TR é usada também para a rentabilidade de poupança. Segundo o secretário, será uma medida de médio prazo, mas ainda sem data para ser anunciada. Ele não detalhou, no entanto, o que está sendo estudado para a arrecadação e liberação do saque do fundo. 

A liberação de cotas do PIS/Pasep, no entanto, deve estar pronta em quatro meses, de acordo com o secretário. Segundo ele, podem ser liberados entre 21 bilhões de reais e 22 bilhões de reais dos fundos. Tem direito ao PIS/Pasep quem trabalhou com carteira assinada entre 1971 e 1988. 

Segundo o secretário, as mudanças no FGTS exigem mais tempo de planejamento porque o estoque do fundo é de cerca de 500 bilhões de reais, com impactos maiores na economia.