Members of the army take part at Brazil's Independence Day parade in Brasilia, Brazil, Tuesday, Sept. 7, 2010. Brazil is celebrating 188 years of Independence. (AP Photo/Eraldo Peres)

Governadores vão atrás de militares; pedido de reunião para tratar da ‘paz social’ já foi protocolado; poder civil se curva ao armado

Além de pedirem uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro e os chefes do Congresso e do STF, os governadores vão solicitar um encontro com o comando das Forças Armadas. O objetivo é diminuir a tensão, evidenciada após o afastamento de um coronel da PM de São Paulo, e tratar da manifestação pró-governo, que vem sendo promovida por quadros da corporação. A ideia é que a conversa com os militares seja presencial e aconteça na semana que vem.

“A ideia é que possamos estabelecer um diálogo por meio dos governadores no sentido de buscar distensionar o ambiente e evitar essa dinâmica desgastante em que a cada confusão se emite uma carta”, disse o governador do Pará, Helder Barbalho, autor da proposta de procurar os militares para uma conversa. O pedido do encontro com os militares já foi formalizado em ofício. O documento diz que o objetivo da reunião é “identificar e pautar pontos convergentes e estratégias visando salvaguardar a paz social, a democracia e o bem-estar socioeconômico da população brasileira”.