Fux cobra polícia do Rio sobre chacina em Vila Cruzeiro: “PM deve satisfações ao STF”

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux, disse nesta 5ª feira (26.mai.2022) que a Polícia Militar do Rio de Janeiro deve satisfações à Corte, e que está aguardando a manifestação da corporação.

A fala foi feita na abertura da sessão plenária da Corte, e faz referência à operação conjunta do Bope (Batalhão de Operações Especiais) da Polícia Militar do Rio de Janeiro, PF (Polícia Federal) e PRF (Polícia Rodoviária Federal) na madrugada de 3ª feira (25.mai) que deixou ao menos 25 mortos na Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, no Rio de Janeiro.

“Tendo em vista a posição em que se encontra o Supremo Tribunal Federal, achei por bem não polemizar com a Polícia Militar. A Polícia Militar deve satisfações. Estou aguardando essas satisfações”, disse Fux.

Em fevereiro, a Corte obrigou o governo do Rio a elaborar um plano para reduzir a letalidade policial em operações nas favelas do Estado. A medida foi tomada em ação conhecida como “ADPF das Favelas”, da relatoria do ministro Edson Fachin.

O ministro Gilmar Mendes disse que o ocorrido foi uma “violência policial lamentável” e que o quadro é “extremamente preocupante”.

“Com palavras de autoridades locais atribuindo ao STF a responsabilidade por essa tragédia, que sabemos que é um problema estrutural”, afirmou.

Em entrevista depois da operação, o coronel da PM Luiz Henrique Pires, criticou uma decisão do Supremo de limitar operações nas favelas durante a pandemia.

Continuar