Fuga no IBGE: coordenadores deixam Censo em protesto contra “desatenção às evidências técnicas”

As mudanças no Censo Demográfico 2020 levaram a baixas no quadro do funcionalismo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), segundo o sindicato dos servidores do órgão. Quatro servidores entregaram seus cargos na quinta-feira (6), em protesto contra o que o sindicato chamou de condução “inadequada” do processo de elaboração da pesquisa. “O mais importante núcleo técnico ligado ao Censo Demográfico acaba de anunciar um pedido coletivo de exoneração por compreender que o processo vem sendo conduzida de forma inadequada, em desatenção às evidências técnicas sistematizadas em estudos sólidos apresentados à Direção do IBGE”, diz o sindicato em nota. Entregaram seus cargos Andrea Bastos, assessora da Diretoria de Pesquisas, responsável por substituir o Diretor de Pesquisas e principal interlocutora junto a área econômica da instituição; Marcos Paulo Soares, coordenador da Coordenador da Coordenação de Metodologia e Qualidade (Comeq), responsável pela definição da amostra nas pesquisas realizadas pelo IBGE; Barbara Cobo, coordenadora da Coordenação de População e Indicadores Sociais (Copis), responsável por planejar, coordenar e executar estudos populacionais e pesquisas estatísticas para a caracterização da situação social e demográfica do País; e Leila Ervatti, gerente de população. Procurado pelo G1, o IBGE confirmou a entrega dos cargos, que aconteceu durante evento público organizado por servidores do instituto no qual lançaram a campanha Todos Pelo Censo 2020. Ainda segundo a assessoria, a presidência do IBGE ainda não se pronunciou sobre o ocorrido. No final de maio, o IBGE anunciou que o questionário completo do Censo Demográfico 2020 terá um total de 76 perguntas. O número representa 32% menos questionamentos em relação ao formulário original, que teria 112 questões. O orçamento para a realização da pesquisa do ano que vem deve ficar em torno de R$ 2,3 bilhões. O valor aponta uma queda de 25% no orçamento previsto, que inicialmente era de R$ 3,1 bilhões. Realizado a cada dez anos, o Censo Demográfico tem abrangência nacional. Os pesquisadores do IBGE visitam os domicílios pelo país para obter dados sobre as características dos moradores, nível de estudo, trabalho, entre outras informações. A última edição do Censo foi em 2010. O IBGE estima que a população tenha aumentado em cerca de 10,4% desde então. O órgão acredita que o Brasil tenha atualmente 213 milhões de habitantes. Na pesquisa do próximo ano o questionário básico terá 25 perguntas. Em 2010 foram 34 questões. Já o formulário de amostra, que é aplicado em apenas 10% das visitas, terá 76 questões, 34 perguntas