Ferro no consumidor; negacionista até a última hora, governo agora taxa conta de luz em 6,78% por “escassez hídrica”; apagões no horizonte

A Creg, câmara criada para buscar medidas de garantia do suprimento de energia do Brasil, determinou nesta terça-feira que a reguladora Aneel implemente a bandeira tarifária “escassez hídrica”, que trará aumento de 6,78% na tarifa média dos consumidores regulados, informou o Ministério de Minas e Energia em nota.

Notícias relacionadas

Instrumento para medição do nível d'água no reservatório da usina hidrelétrica de Furnas, em São José da Barra (MG) 
14/01/2013
REUTERS/Paulo Whitaker
Instrumento para medição do nível d’água no reservatório da usina hidrelétrica de Furnas, em São José da Barra (MG) 14/01/2013 REUTERS/Paulo WhitakerFoto: Reuters

O novo patamar da bandeira, segundo a pasta, terá valor de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos, com vigência de 1º de setembro de 2021 a 30 de abril de 2022.

O governo disse ainda que consumidores de baixa renda que aderem à tarifa social não serão afetados pelas novas regras da bandeira tarifária, sendo mantido o valor atual.

A Creg também aprovou um programa de incentivo à redução do consumo de energia, para o mercado regulado, com vigência a partir de setembro, que prevê bônus de R$ 50 por 100 kWh reduzidos, limitado à faixa de economia entre 10% e 20%.