FBI vê risco de ataques de trumpistas em 50 estados até a posse de Biden; Democratas pedem impeachment de Trump

Deputados do partido Democrata apresentaram ontem na Câmara as bases de um pedido de impeachment de Donald Trump. A acusação é a de “incitar a insurreição” contra a ordem institucional do país, dado o papel do presidente na invasão do Capitólio por seus apoiadores, em 6 de janeiro, para impedir a homologação da vitória eleitoral de Joe Biden. Cinco pessoas morreram e mais de cem foram presas desde então.

“O presidente Trump pôs gravemente em risco a segurança dos EUA e das instituições do governo”, diz o texto. “Ele ameaçou a integridade do sistema democrático, interferiu com a transição pacífica do poder e pôs em risco um dos Poderes. Ele traiu a confiança como presidente dos EUA, para prejuízo do povo dos EUA”, continua o texto.

Caso condenado, Trump não poderá mais ocupar qualquer posição no governo americano e perderá acesso à pensão anual de US$ 219 mil. Os democratas também tentam afastar Trump por meio da invocação da 25ª Emenda, que trata da saída de um presidente considerado inapto para as funções. Na mesma página 19, sob o título ‘FBI alerta para protestos armados em 50 estados’, a informação é a de que o FBI emitiu um boletim alertando para possíveis atos armados planejados por defensores de Trump contra sedes dos Legislativos nos próximos dias, inclusive no Distrito de Colúmbia, onde fica Washington. Diante disso, o general Daniel Hokanson, diretor da Guarda Nacional, disse que autorizou o envio de 15 mil soldados para a capital federal até o dia 20, quando está marcada a posse de Biden na Presidência. Cinco mil agentes de segurança adicionais estarão a postos caso sejam necessários. Trump aprovou ontem a declaração de emergência na capital até 24 de janeiro, facilitado a adoção de medidas de segurança.