Famoso admirador de Sergio Moro, cineasta José Padilha rompe com ex-juiz e chama pacote anticrime de “pró-máfia”

BR: Intelectual do campo mais crítico ao PT, o cineasta José Padilha nunca escondeu o fato de ser um admirador da Operação Lava-Jato e de seu maior representante, Sergio Moro. A passagem do então juiz para o cargo de titular do Ministério da Justiça, porém, mudou radicalmente a opinião do autor de ‘Tropa de Elite’ sobre seu antigo ícone. Em artigo publicado nesta terça-feira 16, Padilha deixa manifesta seu rompimento com Moro num texto duro e repleto de informações.

Acompanhe:

“O leitor sabe que sempre apoiei a operação Lava Jato e que chamei Sergio Moro de “samurai ronin”, numa alusão à independência política que, acreditava eu, balizava a sua conduta. Pois bem, quero reconhecer o erro que cometi.

Digo isso porque não há outra explicação: Sergio Moro finge não saber o que é milícia porque perdeu sua independência e hoje trabalha para a família Bolsonaro. Flávio Bolsonaro não foi o senador mais votado em 74 das 76 seções eleitorais de Rio das Pedras por acaso…

O pacote anticrime que Sergio Moro enviou ao Congresso – embora razoável no que tange ao combate à corrupção corporativa e política – é absurdo no que se refere à luta contra as milícias. De fato, é um pacote pró-milícia, porque que facilita a violência policial.

(…)

Ora, no contexto brasileiro, é óbvio que o pacote anticrime de Moro vai estimular a violência policial, o crescimento das milícias e sua influência política. Sergio Moro foi de “samurai ronin” a “antiFalcone”. Seu pacote anticorrupção é, também, um pacote pró-máfia”.