Ex-secretário de Saúde acerta delação que aponta para Witzel, informa Bela Megale; Edmar Santos foi preso com R$ 8,5 milhões em casa; devolução do dinheiro já prometida

O ex-secretário de Saúde do Rio, Edmar Santos, acertou com a Procuraroria Geral da República (PGR) um acordo de delação em que entrega informações sobre corrupção na saúde do Estado envolvendo o governador Wilson Witzel. 

PerfilMédico que comandou a estratégia de combate à pandemia no Estado termina preso por fraudes

Participantes da tratativa relataram à coluna que os termos da delação estão fechados, mas não confirmaram se o acordo já foi assinado. Segundo os envolvidos na negociação, a expectativa é que a homologação aconteça no retorno do recesso do judiciário, em agosto, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

No acordo, Santos se comprometeu a devolver cerca de R$ 8,5 milhões aos cofres públicos. O valor é o mesmo encontrado semana passada em endereços ligados a ele em uma operação deflagrada pelo Ministério Público do Rio e a Polícia Civil que o levou para a prisão.

Na segunda-feira (13), a PGR solicitou ao ministro João Otávio de Noronha, presidente do STJ, a soltura de Santos sob a justificativa de que fatos investigados pelo MP do Rio são os mesmos que ela investiga naOperação Placebo, que tramita no STJ.

Segundo integrantes da corte, o pedido foi feito devido ao acordo do ex-secretário com a Justiça. Procurado, o advogado Bruno Fernandes, que defende Edmar Santos, não retornou os contatos da coluna para comentar o assunto.