Esvaziado e sob suspeita de interferência ideológica, Enem tem este ano metade dos inscritos em relação ao ano passado

Desde 2005, o Enem não tinha número tão baixo de inscrições. E, naquela época, a prova nem era usada para entrar em universidades públicas, informa a reportagem do jornal O Estado de S.Paulo.

LEIA MAIS:PUBLICIDADE

1 – Morre terceira criança Yanomami por falta de atitude de governo Bolsonarohttps://0873ed7c19e8e96923b96d5b84e9a5b2.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

2 – Genro de Silvio Santos não explica relação com fuga do guru Olavo de Carvalho em avião da FAB

3 – Moro tem dor de barriga e foge da imprensa em evento do MBL

Caiu os inscritos no Enem

Total de candidatos que vai fazer este Enem – cerca de 3,4 milhões – é quase metade do que o Ministério da Educação (MEC) esperava de inscritos no início de 2021.

Em relação ao ano passado, houve redução de 41% no total de inscrições.

A queda é maior entre os candidatos que já haviam concluído o ensino médio. E excluiu ainda mais pretos, pardos e indígenas.PUBLICIDADE

Esse corte na gratuidade para quem faltou no ano passado afastou ainda estudantes pobres que não conseguiram pagar a taxa de R$ 85 para participar.

Ministro da Educação, Milton Ribeiro, que brigou na Justiça para não reabrir o prazo de inscrição, minimizou no Congresso o recorde negativo.

“Quero saber de fato quantos vão fazer o Enem”, disse.

No mês de setembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a reabertura do prazo de inscrição com gratuidade para quem faltou na edição passada.