Estados antecipam 2ª dose de AstraZeneca; ES, MA, MS, PE e SC temem variante Delta, mais contagiosa

Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pernambuco e Santa Catarina decidiram antecipar a aplicação da 2ª dose da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca. Os principais motivos são aumentar a parcela da população totalmente imunizada e evitar ultrapassar o prazo máximo de 12 semanas entre as doses, diante das dificuldades de entregas federais. A variante Delta, mais transmissível, também preocupa as autoridades.

Notícias relacionadas

Vacina da AstraZeneca
 14/3/2021 REUTERS/Dado Ruvic/Illustration
Vacina da AstraZeneca 14/3/2021 REUTERS/Dado Ruvic/IllustrationFoto: Reuters

Em São Paulo, especialistas do Centro de Continência Contra a Covid-19 do Estado devem se reunir na quinta-feira, 8, para debater a redução do intervalo. Em coletiva de imprensa nesta quarta, o governo demonstrou preocupação com a nova variante, que já circula no Estado.

Em Santa Catarina, o intervalo entre as doses de AstraZeneca foi encurtado para dez semanas. A Secretaria da Saúde afirmou que a medida tem como objetivo organizar o processo de vacinação e evitar o atraso da 2ª dose. O prazo máximo entre as aplicações, segundo o Ministério da Saúde, é de 12 semanas.

Carlos Alberto Justo da Silva, secretário de Saúde de Florianópolis, disse estudar como será a antecipação da 2ª dose. “A gente esperava os três meses porque não tinha vacina suficiente e a eficácia era a mesma. Se tiver vacina disponível para reduzir o tempo de espera, faremos isso”, disse.

A cidade está vacinando a população com 40 anos ou mais e, segundo ele, a cobertura vacinal nas categorias já contempladas está em 90%. “Florianópolis não tem vacina na prateleira. Estamos mostrando que a cidade dá conta de vacinar em um ritmo ainda maior”, falou. De acordo com Silva, o município está aguardando a informação de quantas vacinas receberá do Estado para definir em quantas semanas será antecipada a segunda dose.

No Mato Grosso do Sul, o prazo entre a 1ª e a 2ª dose foi encurtado para oito semanas (56 dias). A medida se aplica às vacinas da AstraZeneca e Pfizer. O secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, explicou que o principal objetivo é evitar o atraso da 2ª dose. Ele teme haver um desabastecimento da vacina da AstraZeneca nos próximos meses.