Estadão: com PSL já desgastado, clã Bolsonaro quer migrar para UDN que foi de Carlos Lacerda

BR: Uma mudança com armas e bagagens para um partido que está em fase de criação, mas que guarda a mesma sigla e o DNA de agremiação de direita que marcou a história do Brasil, está nos planos imediatos dos filhos do presidente Jair Bolsonaro. Eles pretendem rumar para a UDN – União Democrática Nacional -, que já teve entre seus expoentes o ex-governador fluminense Carlos Lacerda, conhecido como ‘o corvo’, e o ex-presidente José Sarney.

Em detalhes, os planos estão contados a partir da manchete e em matéria exclusiva dos jornalistas Marcelo Godoy e Pedro Venceslau, no Estadão deste domingo 17.

Acompanhe:

Do Estadão – Os filhos do presidente Jair Bolsonaro pretendem migrar do PSL para a União Democrática Nacional (UDN), reedição da legenda fundada em 1945 e que está em fase final de criação. O movimento serviria para preservar a família diante do desgaste do PSL, cercado de suspeitas de irregularidades, e evitaria prejuízos à eleição de 2020. Como é uma nova legenda, a lei permite a migração sem a perda de mandato. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSLSP) já se reuniu em Brasília com dirigentes da UDN para tratar do assunto. Ele conta com o apoio do irmão Carlos, vereador no Rio. A ideia com a criação da UDN é fundar “o maior partido de direita” do País, de acordo com o dirigente Marcus Alves de Souza. “A UDN já nasce grande e pode ser o maior partido do Congresso. Está aberta para receber pessoas sérias do PSL”, diz. Segundo Souza, a legenda está perto de alcançar as assinaturas necessárias para a homologação.

Com o PSL em crise e sob suspeita de desviar verba pública por meio de candidaturas “laranjas” nas eleições de 2018, os filhos do presidente Jair Bolsonaro (PSL) negociam migrar para um novo partido, que está em fase final de criação. Trata-se da reedição da antiga UDN (União Democrática Nacional).

Segundo três fontes ouvidas pela reportagem em caráter reservado, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se reuniu na semana passada em Brasília com dirigentes da sigla para tratar do assunto. Ele tem urgência em levar adiante o projeto. Eleito com 1,8 milhão de votos, Eduardo teria o apoio de seu irmão, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). Com esse movimento, a família Bolsonaro buscaria preservar seu capital eleitoral diante do desgaste do partido.

Enquanto ainda estava internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, Jair Bolsonaro acionou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, para que determinasse investigações sobre o caso.

As suspeitas atingiram o presidente da legenda, deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE), e foram pano de fundo da crise envolvendo o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, que foi chamado de mentiroso por Carlos Bolsonaro depois de afirmar que tratara com o pai sobre o tema. Após cinco dias de crise, Bebianno deve ser exonerado do cargo amanhã por Bolsonaro (mais informações na pág. A10).

Além de afastar a família dos problemas do PSL, a nova sigla realizaria o projeto político de aglutinar lideranças da direita nacional identificadas com o liberalismo econômico e com a pauta nacionalista e conservadora, defendida pelo clã Bolsonaro. No começo do mês, Eduardo foi ungido por Steve Bannon, ex-assessor do presidente americano Donald Trump, como o representante na América do Sul do The Movement, grupo que reúne lideranças nacionalistas antiglobalização.

O projeto do novo partido é tratado com discrição no entorno do presidente. Em 2018, a UDN foi um dos partidos – embora ainda em formação e sem registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – sondados por interlocutores do presidente para que ele disputasse a eleição, mas a articulação não avançou.

Depois de anunciar a adesão ao Patriota, Jair Bolsonaro acabou escolhendo o PSL.

Assinaturas. A nova UDN é um dos 75 partidos em fase de criação, conforme o TSE. Segundo seu dirigente, o capixaba Marcus Alves de Souza, apoiadores já reuniram 380 mil assinaturas – são necessárias 497 mil para a homologação da legenda. O partido já tem CNPJ e diretórios em nove Estados, como exige a legislação eleitoral para a homologação. Ela tem em Brasília um de seus principais articuladores, o advogado Marco Vicenzo, que lidera o Movimento Direita Unida e coordena contatos com parlamentares interessados em aderir ao novo partido. A articulação envolveria ainda o senador Major Olímpio (PSL-SP), que nega.

Souza prefere não comentar as tratativas do partido que estão em curso. Ele, porém, admitiu que a intenção é criar o maior partido de direita do País. Como se trata de uma sigla nova, a legislação permite a migração de políticos sem que eles corram o risco de perder seus mandatos. “O único partido que tem o DNA da direita é a UDN. A gente não pode ter medo de crescer, mas com responsabilidade”, afirmou.

Souza deixou o Espírito Santo, onde atuou na Secretaria da Casa Civil do ex-governador Paulo Hartung, e mudou-se para São Paulo para concluir a criação da nova UDN, que adotou o mesmo mote de sua versão antiga: “O preço da liberdade é a eterna vigilância”. “Nosso sonho é que a UDN renasça grande e se torne o maior partido do Congresso”, afirmou seu presidente. Ele disse ainda que a legenda pretende apoiar o governo Bolsonaro e está aberta “para receber pessoas sérias do PSL e de qualquer partido”.

Palácio. Procurada pelo Estado, a assessoria do Palácio do Planalto informou que não ia se manifestar sobre o assunto. A reportagem procurou ainda as assessorias do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), do deputado Eduardo Bolsonaro e do vereador Carlos Bolsonaro, mas nenhuma delas se manifestou. Bivar, presidente da legenda, também foi procurado, mas não retornou ao Estado.