Entre gritos de “genocida”, “mito” e muita aglomeração, Bolsonaro recebe ‘Medalha do Legislativo’ das mãos de Lira; velhos costumes

O presidente Jair Bolsonaro foi à Câmara nesta quarta-feira (24) para receber a medalha de Mérito Legislativo, que será entregue em sessão solene no plenário. Durante o evento, Bolsonaro ouviu coros de “genocida”, partindo de parlamentares rivais, e de “mito”, por parte dos aliados.

Bolsonaro fez a pé o percurso de menos de 1 km do Palácio do Planalto ao Congresso, onde foi recebido pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Durante as falas que precederam a premiação, a segunda secretária da Câmara, deputada Marília Arraes (PT-PE), fez um discurso crítico a Bolsonaro. Ela disse que o Poder Executivo deve se comportar como representante do povo, mas nem sempre isso acontece.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

“Como sabemos o Poder Executivo eleito de maneira majoritária deveria se comportar como representante do povo, mas muitas vezes esse pretenso povo age anti democraticamente quando animado por espíritos sectário, taxando como inimigos e excluindo os divergentes da entidade unitária e mítica da qual julgam fazer parte aqueles que não se encontram dentro do seu cercadinho mental”, afirmou, em alusão ao “cercadinho” de apoiadores que saúda o presidente todos os dias na porta do palácio da Alvorada.

O presidente Jair Bolsonaro foi a pé do Palácio do Planalto até o Congresso — Foto: Guilherme Mazui/g1

O presidente Jair Bolsonaro foi a pé do Palácio do Planalto até o Congresso — Foto: Guilherme Mazui/g1

A medalha

A medalha do Mérito Legislativo foi criada em 1983. A costuma ser concedida a pessoas e entidades que “prestaram serviços relevantes ao poder Legislativo ou ao Brasil”, segundo o site da Câmara.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Além de Bolsonaro, neste ano estão entre os homenageados o Papa Francisco, o ministro de Relações Exteriores, Carlos França, o fotógrafo Sebastião Salgado e o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins.

Entrada sem vacina

O presidente da República segue dizendo que não tomou a vacina contra a Covid. Um ato assinado por Lira no mês passado passou a exigir a comprovação de pelo menos uma dose da vacina para permitir a entrada na Câmara.

A regra, no entanto, não tem sido aplicada a autoridades e parlamentares em geral, apenas a funcionários, imprensa e servidores.