Brazil's Privatization Secretary Salim Mattar speaks at Credit Suisse Latin America conference in Sao Paulo, Brazil January 29, 2019. REUTERS/Amanda Perobelli

Encarregado de privatizar, Mattar deprecia estatais ao falar que “a grande maioria é corrupta”

BR: O secretário de Desestatização, Salim Mattar, atacou duramente hoje, em evento do mercado financeiro, o produto que tem para vender ao mercado: as empresas estatais.

“Nós temos 134 estatais. A grande maioria, corrupta. Lembra dos Correios, da Petrobras, da Casa da Moeda. No caso dos Correios, tem o Postalis, que comprou títulos da Venezuela. O rombo dos fundos de pensão que este governo recebeu é de R$ 100 bilhões. E nós vamos parar com isso  – disse Mattar em evento organizado pela XP Investimentos, acrescentando que é um “privilégio” estar no governo e poder promover a venda de estatais. 

Na sequência, elogiou a ausência do Estado na economia:

“O Estado foi um inferno na minha vida. A carga tributária elevada, quando você tem que lidar com o meio ambiente, até pagar imposto é difícil. O caminho correto é de um Estado mínimo, que não custe tanto para o cidadão”, afirmou Mattar.

“Pela primeira vez na história temos um governo com visão 
liberal na economia. O legado da social-democracia é esfrangalhado. Temos a oportunidade, com o liberalismo, de mudar a nação”.