Emissoras de TV salvaram imagem de Bolsonaro no Carnaval: críticas das ruas não foram ao ar; assista

BR: O presidente Jair Bolsonaro não passou no teste das ruas em seu primeiro carnaval no cargo. Ele foi apupado em diferentes capitais do Brasil, atacado verbalmente por milhares de foliões nos principais blocos e até seu boneco de Olinda, junto ao da primeira-dama Michelle, foi alvo de lançamentos de latas de cerveja e xingamentos.

Mas nada disso foi mostrado nos noticiários das emissoras de TV dos canais abertos, especialmente em suas edições no horário nobre. A maior cortesia se deu na Rede Record, que conseguiu transmitir o desfile dos bonecos de Olinda, em que o do casal presidencial sofreu ataques em praticamente todo o trajeto, sem mostrar uma manifestação crítica sequer.

Em retribuição, na sua conta no Twitter, Bolsonaro reproduziu a matéria favorável e, sem perder a chance, agradeceu pela ‘homenagem’ do povo Pernambucano. Um detalhado levantamento sobre a cobertura carnavalesca favorável ao presidente foi feito pelo portal Poder 360, liderado pelo jornalista Fernando Rodrigues.

Acompanhe após assistir o tuite do presidente Bolsonaro, com a matéria amiga veiculada no Jornal da Record, declaradamente a sua emissora favorita:

PODER 360: O tradicional desfile dos bonecos gigantes em Olinda (PE) recebeu, neste ano, a presença de alegorias da família Bolsonaro: imagens do presidente Jair Bolsonaro e de sua mulher, Michelle, foram as principais atrações do evento realizado na 2ª feira (4.mar.2019).

Parte inferior do formulário

Mas a mídia cobriu a reação dos foliões de maneira diferente. Enquanto os jornais impressos e on-line deram enfoque nas vaias e agressões aos bonecos, os principais jornais noturnos das emissoras abertas escolheram não abordar o fato.

Veja abaixo o compilado feito pelo Poder360 sobre a cobertura do caso:

JORNAIS TELEVISIVOS

GLOBO

O Jornal Nacional, principal telejornal noturno da emissora da família Marinho, não citou o desfile dos bonecos de Olinda, tampouco o caso com o boneco de Bolsonaro.

A 2ª edição do jornal local do Nordeste, NE 2, noticiou que “bonecos gigantes desfilaram nas ladeiras de Olinda e ruas do Recife”. A matéria teve duração de 1min4s.

Disse que o boneco de Bolsonaro foi parte da atração do desfile e comentou, rapidamente, que a imagem foi vaiada. Nenhum outro jornal da rede Globo noticiou o fato.

RECORD

Em 1min53s, a emissora do bispo Edir Macedo –que declarou apoio a Bolsonaro enquanto o militar era candidato– noticiou, no Jornal da Record, que “bonecos de celebridades e políticos” estavam nas ruas de Pernambuco.

Entrevistou o artista plástico responsável pelo desenvolvimento das imagens. Destacou que os  “personagens cercados pela multidão flutuam pelas ruas e ladeiras”.

Cita, ao final, a presença dos bonecos de Michelle e Jair Bolsonaro. Diz que tem 4 metros cada e que as imagens abriram o desfile. O fato do boneco ter sido vaiado e alvo de garrafas de vidro não foi comentado pelo jornal.

Bolsonaro republicou a reportagem da Record em sua conta do Twitter, agradecendo a Pernambuco.

BAND

O Jornal da Band, principal programa jornalístico noturno da emissora, abordou em 47 segundos o desfile dos bonecos gigantes.

A reportagem inicia dizendo que a “alegoria do presidente Jair Bolsonaro puxou a fila dos bonecos gigantes”. Fala do tempo “encoberto” e da duração do desfile dos 100 bonecos gigantes. Não cita a reação e atitudes dos foliões em relação à imagem de Bolsonaro.

SBT

A emissora de Silvio Santos não dedicou ao menos 1 minuto ao tema. Sequer noticiou o desfile dos bonecos gigantes em Olinda.

JORNAIS ON-LINE

A cobertura on-line foi diferente. Jornais e portais digitais como G1, Gazeta Online, Gaúcha Zero Hora e Estadão citaram o caso. Nas postagens, a forma como a situação se deu foi melhor esclarecida.

O G1 escreve que “parte do público presente recebeu os gigantes sob vaias e gritos”. Também fala que “alguns foliões a favor de Bolsonaro levantaram camisas durante a passagem do boneco”.

A Gazeta Online e a Gaúcha Zero Hora dizem que “o boneco estreou sob chuva, esquema de segurança especial e vaias”. Também escrevem que “em diversos momentos muitos foliões vaiavam e entoavam o verso mais repetido neste Carnaval olindense: ‘ai, ai, ai, Bolsonaro é o carai”’. Falam que o boneco “foi atingido por latas de cerveja e pedras de gelo”. Citam que uma mulher tentou “derrubar a alegoria” e foi impedida por 1 policial militar.

Em outra oportunidade, o portal de propriedade do Grupo RBS disse que o boneco “perigou não desfilar”. Afirmou que ameaças referentes à destruição do boneco foram proferidas pelas redes sociais.

O Estadão disse que o esquema de segurança reforçado não foi suficiente para evitar manifestações contra o boneco do presidente. Segundo o texto, o item foi “alvo de uma chuva de vaias e latas de cerveja, refrigerante e até pedras de gelo”. Também cita a música que os foliões cantavam: “ai, ai, ai. Bolsonaro é o carai”. O veículo diz que a PM precisou jogar spray de pimenta no público para diminuir a “exaltação”. ent 2;\lsdprio