“Embaixadores do Brasil nos EUA não fizeram nada de bom para nós”, diz Bolsonaro; diplomata rebate

O presidente Jair Bolsonaro, durante reunião do Mercosul, ontem, na Argentina, não poupou críticas a ex-embaixadores brasileiros nos EUA. “Se vocês pegarem de 2003 para cá, o que os embaixadores nossos, do Brasil, nos Estados Unidos, fizeram de bom para nós? Nada!”, disse o presidente. “Eu, quando fui a Israel, há dois anos, o embaixador lá estava na Palestina. Não estava para servir as relações comerciais entre os nossos países.”

Hoje, pelo Twitter, o diplomata e deputado federal Marcelo Calero (Cidadania-RJ), rebateu o presidente pelo Twitter:

“Inadmissível o ataque de @jairbolsonaro aos valorosos Embaixadores q serviram nos EUA. É mesquinho e deplorável que, em defesa da imoral nomeação de seu filho, Bolsonaro se preste a esse papel odioso de ferir a reputação de servidores públicos honrados e a do Itamaraty”, escreveu.

Na última quinta-feira (11), Bolsonaro anunciou a decisão de indicar o filho Eduardo para ser embaixador do Brasil em Washington, o que gerou dúvidas sobre as qualificações do deputado federal para o cargo e acusações de nepotismo.

Questionado sobre o que estaria faltando para que a indicação fosse formalizada, Bolsonaro disse que não se trata de uma decisão apenas do presidente. Segundo ele, o andamento agora depende do Senado. “Por mim, eu decidiria agora, mas eu não posso tomar decisões de forma tão abrupta. Eu já conversei com o [presidente do Senado,] Davi Alcolumbre, com outros, alguns [que] estão dando parecer contrário, mas é porque não conhecem a vida do meu filho.” 

O presidente disse que “achava” que já havia sido feito um comunicado para os EUA. Mas que “basta um telefonema simples meu para o [presidente dos EUA, Donald] Trump, nem preciso falar isso para ele, eu tenho certeza de que ele dará o sinal positivo”. 

Bolsonaro também voltou a defender o filho para o cargo com o argumento de que a proximidade de Eduardo com a família do presidente norte-americano é algo importante. “É o que eu digo: imagine se o filho do [presidente da Argentina, Mauricio] Macri fosse embaixador no Brasil, ligando para mim, querendo falar comigo. Quando ele seria atendido? Amanhã? Semana que vem? Ou imediatamente? Claro que imediatamente. Essa é a intenção.”

Quando um jornalista perguntou se Eduardo receberia algum petista na embaixada em Washington, Bolsonaro respondeu: “Petista? Com bandeirinha do PT no peito? Não, ninguém, embaixada não é lugar de fazer política”.

Por fim, o presidente explicou o comentário do deputado federal sobre ter qualificações para o cargo por ter fritado hambúrguer no estado americano do Maine. “Ele fritou hambúrguer sabe por quê? Porque não tinha dinheiro para se bancar lá. Qual era a intenção dele de ficar seis meses nos EUA? Aperfeiçoar o inglês dele. E eu disse: ‘Fica, mas se você bancar a tua despesa’. Por isso ele fritou hambúrguer, entregou pizza, e hoje ele tá com um inglês muito bom.”