Em nota, Pazuello diz que sabia que proposta de intermediários era inidônea e que mandou apagar vídeo; por que assinou? por que gravou?

Nesta sexta-feira (16), o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello publicou uma nota sobre o encontro que ele teve em março deste ano com representantes da empresa World Brands Distribuidora S/A, que se diz representante comercial no Brasil da farmacêutica chinesa Sinovac, para negociar a compra de doses da vacina CoronaVac, fabricada pelo laboratório asiático.

De acordo com o vídeo que viralizou nesta manhã, Pazuello prometeu a um grupo de intermediadores comprar 30 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac. A imunização foi oferecida formalmente ao governo por quase o triplo do preço negociado pelo Instituto Butantan.

VEJA – VÍDEO mostra Pazuello negociando Coronavac fora da agenda e pelo triplo do preço

O ex-ministro diz que, enquanto esteve na função, “em momento algum” negociou aquisição de vacina com empresários. Na nota, ele detalha que encontrou os representantes da World Brands após um pedido formal de reunião feito pela empresa ao ministério.  De acordo com o comunicado, Pazuello não participou do encontro. Ele diz que só conversou com os representantes comerciais da Sinovac após a reunião de outros funcionários do Ministério da Saúde com os integrantes da World Brands.

A ideia do vídeo, segundo ele, partiu da Assessoria de Comunicação do Ministério da Saúde, que sugeriu a gravação “de um pequeno vídeo de memória para posterior publicização dos atos e fatos da administração pública”.

Com informações do Correio Braziliense.