Eduardo 02 faz coleta de assinaturas para CPI do TSE; redes sociais bolsonaristas esquentam o assunto; aposta em mais confusão

As hashtags #CPIdoTSE e #TSEApagouAsProvas invadiram o Twitter na noite dessa 4ª feira (4.ago.2021) e madrugada de 5ª (5.ago). As postagens foram publicadas em reação a tuítes do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) sobre a abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar denúncias, feitas pelo presidente Jair Bolsonaro, de que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sabia de fraude nas urnas eletrônicas em 2018.

© Fornecido por Poder360

REAÇÕES

Além de milhares de eleitores, diversos políticos bolsonaristas, como os deputados Carla Zambelli (PSL-SP) e Daniel Freitas (PSL-SC), se posicionaram nas redes sociais em defesa da abertura da chamada CPI do TSE. Leia algumas manifestações:

Deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP)© Fornecido por Poder360

Deputado federal Daniel Freitas (PSL-SC)© Fornecido por Poder360

Deputado federal Coronel Tadeu (PSL-SP)© Fornecido por Poder360

Deputado federal Major Vítor Hugo (PSL-GO)© Fornecido por Poder360

Deputado estadual Gil Diniz (PSL-SP)© Fornecido por Poder360

Deputado estadual Eric Lins (PDT-AM)© Fornecido por Poder360

ENTENDA O CASO

Em entrevista à Rádio Jovem Pan, nessa 4ª feira (4.ago), o presidente Jair Bolsonaro e o relator da proposta do voto impresso, deputado Filipe Barros (PSL-PR), apresentaram cópia de relatórios enviados pelo TSE à PF (Polícia Federal).

A Corte teria informado que identificou ação de um hacker na rede do tribunal de abril a novembro de 2018. Bolsonaro e o deputado defenderam que o hacker teve acesso ao “coração” da rede do TSE e poderia ter alterado o código fonte de urnas eletrônicas.

O deputado disse ainda que o TSE afirmou não ter registros do histórico das atividades do hacker na rede da Corte. “Ou seja, o próprio TSE apagou os arquivos por onde andou o hacker”, afirmou Bolsonaro, alegando que a ação configura “crime”.

Em nota, o TSE afirmou que o episódio foi amplamente divulgado na época e que, embora sigiloso, não é um inquérito com informações novas.  A Corte afirmou que o acesso indevido não representou riscos à integridade da eleição, já que o código-fonte dos programas utilizados passaram por “sucessivas verificações, testes, aptos a identificar qualquer alteração ou manipulação“.