Dora Kamer: Heleno vai à guerra

Dora Kramer, Veja

Das vozes influentes junto ao presidente Jair Bolsonaro, a do chefe do Gabinete de Segurança Institucional é (ou era) tida como a mais comedida e sensata. Pois por isso causa estranheza o comportamento do general Heleno Augusto nos últimos dias.

Primeiro, deu um soco na mesa em pleno café da manha do presidente com jornalistas, chamando o Lula de “canalha” e pedindo prisão perpétua (esperemos que hipoteticamente) para ele quando o ex-presidente duvidou da veracidade da facada em Juiz de Fora. Depois, vestiu uma camisa amarela e saiu na manifestação de domingo 30 bradando contra os “esquerdopatas”, a seu ver, também “canalhas”.

No meio tempo entre uma e outra perda das estribeiras, o general minimizou o episódio da cocaína encontrada no avião da comitiva presidencial. Chamou de “falta de sorte” o que foi incúria da fiscalização.

Aguardemos os próximos capítulos (se houver) antes de concluirmos que o chefe do GSI achou por bem sair do bastidor para assumir um lugar ao palco.