Dois seguranças de supermercado Ricoy condenados a 10 anos de prisão; tortura, cárcere privado e humilhação de adolescente, sentencia TJ-SP; jovem furtou duas barras de chocolate

Nesta terça-feira (24), os desembargadores da 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo condenaram a 10 anos e três meses de prisão, os dois seguranças que foram flagrados torturando um adolescente de 17 anos nas dependências do Ricoy Supermercados.

Valdir Bispo dos Santos e David de Oliveira Fernandes foram condenados pelos crimes de tortura, lesão corporal, cárcere privado e divulgação de cenas de nudez de vulnerável. Em agosto de 2019, o adolescente foi flagrado pelos agentes tentando furtar duas barras de chocolate na unidade da Vila Joaniza, na sul de São Paulo. Em seguida, o levaram para uma sala nos fundos do supermercado, onde passaram a torturar o jovem.

Nesta sala, o adolescente foi despido, amarrado, amordaçado e passou a receber golpes de chicote e fios elétricos. A tortura foi filmada e divulgada na internet pelos próprios agentes. Na primeira instância, os dois seguranças haviam sido absolvidos pelo crime de tortura. A sentença da 4ª Câmara reverteu, portanto, essa decisão.

Na sentença, a relatora da apelação, Ivana David, afirma que “não há como negar a imposição de sofrimento moral e mental resultante da divulgação das imagens – estas a evidenciar por si sós o imenso abalo emocional causado à vítima, exposta nua e amordaçada, desbordando em muito do mero castigo e da humilhação já infligidos e resvalando no sadismo e na pedofilia, indicando-se desprezo pela condição humana”.