Divergências com Bolsonaro se acumulam, e Moro não esconde mais seu desconforto: volta para Curitiba à vista?

BR: O ministro mais popular do governo Bolsonaro está se sentindo bastante desconfortável no cargo. A carta branca recebida do presidente Jair Bolsonaro já está cheia de rasuras. Nos rumores que correm em Brasília, tantas vezes cheios de verdades, o que se diz é que o ex-juiz Sergio Moro poderá tomar o caminho de volta para Curitiba, desfalcando o governo, caso o Coaf, órgão que faz a fiscalização de movimentações financeiras, deixe o organograma da Justiça e volte para o do Ministério da Economia. Seria a gota d’água para Moro entender que não é exatamente bem-vindo pelo meio político. Ele já demonstrou que não quer abrir de comandar o órgão, considerado “essencial”, em sua própria expressão, para a execução de sua  missão de combate à corrupção. O Congresso, no entanto. Se articula para frustrar o ministro, fazendo uma emenda específica para suprimir esse ítem no momento de aprovar a MP da reforma administrativa que promoveu a mudança.

O problema, para Moro, não está no Congresso, mas na falta de empenho, até aqui, de Bolsonaro em evitar que a perda do Coaf pelo Ministério da Justiça aconteça. Com efeito, o presidente fez apenas uma declaração sobre o assunto, ontem, como se apenas isso fosse suficiente para barrar as articulações parlamentares em curso contra Moro.

A edição on-line do jornal O Estado de S. Paulo publicou notícia a respeito do acúmulo de divergências entre Moro e Bolsonaro, apontando que a saída o ministro está no radar da política em Brasília.

Acompanhe:

Na mesma semana em que o presidente Jair Bolsonaro anunciou na maior feira de agronegócio do Brasil, a Agrishow, que pode isentar produtores rurais que atirarem contra invasores, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, disse que ainda disse que ainda “era prematuro” discutir essa questão. 

“É um projeto para fazer com que, ao defender sua propriedade privada ou sua vida, o cidadão do bem entre no excludente de ilicitude, ou seja, ele responde (um processo), mas não tem punição”, justificou Bolsonaro falando de uma de suas promessas de campanha. 

Na quinta, o ministro Moro afirmou que é preciso haver mais discussão sobre o assunto. “É prematuro discutir essas questões sem que nós tenhamos ela ainda como uma política pública absolutamente delimitada”, disse Moro em uma coletiva de imprensa, sem esconder o desconforto com o assunto.  

“Existem políticas públicas que são formuladas dentro do governo, com interação das diversas pastas envolvidas, do Ministério da Justiça e Segurança Pública quando há essa pertinência temática, e essas políticas públicas são discutidas, há idas e vindas, avanços e recuos”, completou.

Relembre abaixo outros casos públicos em que houve desencontro entre as falas do presidente e de um de seus principais ministros.

‘Desconvite’ a Ilona Szabó

Um dos primeiros desencontros do presidente com o ministro tem a ver com a cientista política Ilona Szabó, que dirige o Instituto Igarapé, especializado em estudos sobre segurança pública. Em 22 de janeiro, ela foi convidada pelo ministro para integrar, como suplente, o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Após protestos da base de Bolsonaro nas redes sociais, a cientista foi desconvidada

“Mandei uma mensagem para a chefe de gabinete. O ministro Sérgio Moro me ligou de volta. Dado o clima (nas redes), eu sabia que o risco existia. O ministro me pediu desculpas. Disse que ele lamentava, mas estava sendo pressionado, porque o presidente Bolsonaro não sustentava a escolha na base dele”, afirmou Ilona ao Estado na época. Em nota, o ministério informou, à época, que a revogação do convite ocorreu após  “repercussão negativa em alguns segmentos”.  

Mudança do Coaf para o ministério da Economia

O ministro tem reiterado publicamente o desejo de que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) permaneça no Ministério da Justiça. As declarações vêm após o presidente Bolsonaro afirmar que não se opunha a retirar o Coaf de Moro e deixá-lo com o ministro Paulo Guedes, da Economia, para obter apoio no Congresso. “Não me oponho em voltar o Coaf para o Ministério da Economia, apesar de o Paulo Guedes estar com muita coisa”, disse Bolsonaro. 

Em entrevista à Jovem Pan no dia 1º de maio, Moro afirmou que o conselho estava “esquecido” no Ministério da Fazenda e garantiu que o ministro da Economia não quer o Coaf. “Guedes não quer o Coaf, ele tem uma série de preocupações, tem a reforma da Previdência. A tendência lá é ele (Coaf) ficar esquecido e na Justiça temos ele como essencial”, disse.