Diretor do BC fala demais e autoridade emite nota de esclarecimento; alta demanda por dólares antecipa debate sobre intervenção no mercado de câmbio no fim do ano

O Banco Central afirmou na noite de sexta-feira que não antecipa decisões sobre intervenções nos mercados financeiros. “O Banco Central reitera que avalia continuamente o funcionamento do mercado de câmbio e esclarece que não antecipa eventuais decisões sobre intervenção, rejeitando quaisquer interpretações nesse sentido”, disse a instituição em nota.

O comunicado veio após o diretor de Política Econômica da autarquia, Fabio Kanczuk, ter indicado, em evento virtual organizado pelo Itaú Unibanco, que o Banco Central deve atuar no fim do ano no mercado de câmbio em função de grande fluxo esperado no País por operações de “overhedge” dos bancos.

“Não é uma questão de fundamento, mas de fluxo grande que vai acontecer no fim do ano. O Banco Central está pensando em alternativas para que esse fluxo não seja disruptivo. Amarras podem fazer com que se criem problemas, restrição de capital de bancos e dos fundos. O Banco Central tem de evitar problemas”, afirmou Kanczuk.

A ‘nota de esclarecimento’ do BC afirmou que “decisões de atuação da autoridade monetária diante de disfuncionalidades de mercado são tomadas de forma fundamentada, obedecendo a rígido processo de governança interna e pautadas pela comunicação transparente através dos canais oficiais”, acrescentou o BC.