Defesa de Lula pede ao STF suspensão de transferência para Tremembé II; “Risco de vida”, sustenta defesa; “Farsa jurídica”, diz Gleisi

A defesa de Lula pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira, 7, a suspensão da transferência do petista de Curitiba para São Paulo. Os advogados também solicitaram que o Tribunal assegure ao ex-presidente o direito de permanecer em Sala de Estado Maior.

A justificativa diz que a transferência pode não ser necessária caso o STF acate um pedido de habeas corpus que tramita no órgão. Nele, os advogados pedem a suspeição do ex-juiz Sergio Moro, o que mostraria que ele não agiu de forma imparcial no processo do triplex no Guarujá.

Se isso acontecer, o processo é anulado e o petista garante sua liberdade. “Lula é vítima de intenso constrangimento ilegal imposto por parte do Sistema de Justiça”, ressalta a nota.

O juiz Paulo Eduardo de Almeida Sorci, da Justiça estadual de São Paulo, determinou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) seja transferido de Curitiba para Tremembé, no interior paulista, para cumprir o restante da pena de 8 anos e 10 meses por condenação na Lava Jato, no caso do triplex em Guarujá. A data da mudança não foi definida.

Lula ficará na Penitenciária 2 (P2) de Tremembé, conhecida por abrigar presos que cometerem crimes de grande repercussão. No local, estão Alexandre Nardoni, Cristian Cravinhos, Mizael Bispo (condenado por matar Mércia Nakashima), Roger Abdelmassih, Lindemberg Alves (caso Eloá) e Guilherme Longo (padrasto acusado de matar o menino Joaquim).

A decisão do magistrado, coordenador e corregedor do Departamento Estadual de Execuções Criminais de São Paulo, foi tomada algumas horas após a juíza federal do Paraná, Carolina Lebbos, determinar a transferência do petista da carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba para São Paulo.