Da idade mínimas às aposentadorias especiais, Câmara tem 277 emendas que devem transfigurar Previdência de Guedes

BR: A negociação vai ser árdua para fazer com que a PEC da Previdência saia da Câmara dos Deputados tal qual entrou ou, ao menos, com o perfil de garantir a sonhada economia, pelo ministro Paulo Guedes, de R$ 1 trilhão em dez anos aos cofres públicos.

Encerrado hoje o prazo para a apresentação de emendas, nada menos que 277 propostas de mudanças ao texto original foram apresentadas. Esses destaques serão analisados na Comissão Especial e, também, em plenário. Será praticamente impossível blindar o texto original à mudanças

Como apurou o colunista Tales Faria, do Uol, 11 líderes partidários estão entre os autores de emendas à PEC. Isso significa que cada um deles deve ter discutido com suas respectivas bancadas as intenções inseridas em suas propostas. Mesmo que isso não tenha acontecido, é praxe que emendas de líderes partidários a textos legislativos tenho, no mínimo, o apoio de seus liderados. Os melhor relacionado conseguem igualmente o voto de colegas de outros partidos e, muitas vezes, de seus respectivos liderados.

As mudanças vão desde a elevação das idades mínimas para homens e mulheres se aposentarem até o estabelecimento de contribuição obrigatória a empresários para o regime de capitalização de seus empregados. No primeiro caso, o prazo para mulheres terem direito à aposentadoria seria de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens, de acordo com a emenda apresentada pelo líder do PSDB, Carlos Sampaio.

Além destes, muitos outros obstáculos já foram oficialmente colocados pelos deputados à Mesa da Câmara. Só muita articulação governista, que até aqui não existiu, vai impedir uma desfiguração do texto original.