Covid-19 parece dar trégua em SP e fase amarela atinge 95% da população; estado tem 845 mil casos e 31 mil óbitos

Com um cenário de declínio nos números da pandemia de covid-19, o Estado de São Paulo passa a ter 95% de sua população vivendo em regiões na fase amarela da quarentena. O anúncio do avanço das regiões para essa nova etapa da quarentena foi feito nesta sexta-feira, 4, pelo governador João Doria (PSDB).

O Estado já não tinha regiões na fase vermelha desde 21 de agosto. E estavam na fase laranja e avançaram para a amarela as regiões de Presidente Prudente, Marília, São José do Rio Preto, São João da Boa Vista e Registro. Franca e Ribeirão Preto permanecem na fase laranja. Essa fase permite a retomada, ainda que parcial, de atividades comerciais, como comércio, shoppings, bares e restaurantes.

“Essa é a melhor fase do Plano São Paulo e mostra que o pacto que foi feito com a população garantiu essa progressão. Por cinco semanas, tivemos queda em internações e por quatro em número de óbitos. Mas, apesar da melhora, ainda estamos em quarentena”, afirmou o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn. “Queda do platô é uma realidade não só no município, mas em todo o Estado”, disse.

De acordo com a gestão Doria, nesta sexta-feira foi registrada a taxa de ocupação de leitos de UTI mais baixa no Estado, 54%. Na Grande São Paulo, essa taxa é de 51,5%. O balanço da secretaria estadual da Saúde mostra que estão internados em leitos de UTI 4.582 pacientes e em enfermaria são 6.112, entre casos suspeitos e confirmados.

O Estado registra nesta sexta-feira um total de 845.016 casos confirmados da doença e 31.091 óbitos – pela primeira vez o interior ultrapassou a capital na porcentagem de óbitos pela doença, segundo Marco Vinholi, secretário estadual de Desenvolvimento Regional. Em 24 horas, foram registradas 186 mortes e 7.038 casos novos.

O Estado todo em fase amarela é um dos requisitos para a volta às aulas em São Paulo. Pela previsão da gestão Doria, a reabertura de escolas está permitida pelo governo estadual a partir de 8 de setembro nas regiões que estão em fase amarela há mais de 28 dias. A retomada em setembro é focada em atividades de acolhimento, recuperação, atividades físicas, tutoria e aulas em laboratório, enquanto a data oficial de retorno para atividades curriculares é 7 de outubro. Na capital paulista, no entanto, a volta em setembro já foi descartada pelo prefeito Bruno Covas (PSDB).