Covas não admite entupimento de piscinões; “Todos estão limpos”; água não baixa em SP; Ceagesp inundado; alimentos perdidos

A Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo ( Ceagesp ), a maior central de abastecimento de frutas, legumes, verduras, flores, pescados e diversos da América Latina, paralisa as atividades nesta segunda-feira (10). O órgão fica localizado na Zona Oeste de São Paulo e está completamente As chuvas foram tão fortes que um homem chegou a usar um remo sobre uma base improvisada como prancha para se locomover dentro da Ceagesp. Ainda não há informações se ele foi resgatado.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, são 320 enchentes, 36 desabamentos e 47 quedas de árvore.

Por meio de nota, a Ceagesp informou que todos os esforços estão sendo tomados para que a situação volte à normalidade o mais rápido possível. O órgão ainda não tem nenhum levantamento sobre prejuízos e perdas.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), lamentou os estragos que as chuvas ocorridas na cidade estão causando desde o início do dia. Em entrevista ao SP1, da TV Globo, Covas citou que o poder público municipal está “acompanhando desde as primeiras horas” o problema.

“Em três horas, choveu metade do esperado para todo o mês. 43 escolas municipais tiveram o atendimento prejudicado e 41 UBS não estão conseguindo atender a população por causa de ruas alagadas.

As pessoas estão perdendo exames”, iniciou o prefeito. Covas ainda afirmou que o “sistema de transporte está funcionando” e informou que apenas 115 ônibus da frota com mais de 13 mil não estão nas ruas durante o dia de hoje. Veja fotos de alagamentos em São Paulo +61 O tucano revelou que, até o momento, ninguém morreu devido aos alagamentos. “Até agora foram computados pela Defesa Civil 30 desabamentos e 23 deslizamentos, sem nenhuma vítima fatal. Estamos encaminhando todas as pessoas para acolhimento”. Em relação ao trabalho dos piscinões, Covas falou à emissora que “todos estavam limpos” e que “nenhum transbordou, o que certamente prejudicaria muito mais a situação.”