Com estratégia típica de golpe, Guaidó orquestra soltura de López, se junta a militares e lidera confrontos por derrubada de Maduro na Venezuela: “O momento é agora”

A crise política na Venezuela voltou a ficar tensa nesta terça-feira, após o autoproclamado presidente interino Juan Guaidó —reconhecido como presidente do país pela Assembleia Nacional e mais de 50 países—orquestrar a soltura do líder opositor Leopoldo López, que estava em prisão domiciliar e, ao lado de militares, convocar a população às ruas para tirar Nicolás Maduro do poder.

Em mensagem de vídeo divulgada por meio de seu Twitter, Guaidó disse que “o momento é agora”, rodeado por membros das Forças Armadas, a quem o regime chavista agora acusa de “traição”. “Estamos enfrentando e desativando um pequeno grupo de militares traidores que se posicionaram (…) para promover un golpe de Estado”, afirmou Jorge Rodríguez, ministro da comunicação chavista. Já há protestos com conflitos em Caracas.