Com direita dividida, manifestações programadas para 350 cidades testam hoje força popular de Bolsonaro

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PSL) vão às ruas neste domingo 26 em mais de 350 cidades do país, incluindo todas as capitais, para pedir a aprovação de reformas propostas pelo governo.

Bolsonaro já afirmou que apoia a “manifestação espontânea da população“, mas que não participará. Também disse, em café da manhã com jornalistas, realizado no Planalto na 5ª feira (23.mai.2019), que quem for às ruas no dia 26 defendendo o fechamento do STF (Supremo Tribunal Federal) ou do Congresso “estará na manifestação errada”. “Isso é manifestação a favor de Maduro, não de Bolsonaro”.

As pautas

As principais pautas do movimento são a aprovação da reforma da Previdência do ministro da Economia, Paulo Guedes; o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro; a CPI da Lava Toga; e a MP 870, da reforma administrativa.

Essa última, apesar de já ter sido aprovada pela Câmara dos Deputados na última 4ª feira (22.mai.2019), ainda precisa passar pelo Senado. Manifestantes querem que o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) fique no Ministério da Justiça, mas os deputados votaram que o conselho deveria voltar para a Economia.

Além disso, os protestos também deverão ser espaço para críticas a atuação de deputados do Centrão, especialmente ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Direita dividida

Os protestos têm sido apoiados por diversos grupos conservadores, por youtubers de direita, por congressistas e pelos próprios filhos do presidente, que constantemente publicam em suas redes sociais chamamento para os atos. Parte dos apoiadores do movimento são alunos ou admiradores do escritor Olavo de Carvalho.