Com 61 pedidos de impeachment de Bolsonaro em sua gaveta, Maia agora diz que “será inevitável discutir essa pauta no futuro”

O atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que há meses segura dezenas de ações de impeachment contra Jair Bolsonaro, finalmente admitiu que será inevitável discutir a pauta no futuro.

Durante coletiva de imprensa do governo de São Paulo no Palácio dos Bandeirantes nesta sexta-feira (15), onde o governador João Doria não mediu palavras contra o presidente da República, dizendo que o Brasil passa por um genocídio, Maia destacou também a “falta de comando” por parte do governo no combate à pandemia da Covid-19. 

“Eu acho que esse tema de forma inevitável será discutido pela casa no futuro. Temos de focar no principal, que agora é salvar o maior número de vidas, mesmo sabendo que há uma desorganização e uma falta de comando por parte do ministério da Saúde”, disse, conforme reportado no Uol.por taboolaLinks promovidosVocê pode gostarJornalistas da Record planejam demissão em massa após bolsonarista Augusto Nunes assumir diretoriaO jogo mais viciante do ano!Forge of Empires – Jogo Online GrátisProvas – Nando MottaChicken Legs – Renato Aroeira

A justificativa dada por Maia para não protocolar o processo neste momento foi o recesso do Congresso Nacional: “Nós estamos em recesso, desde março vivemos uma pandemia, da qual a nossa decisão não foi avaliar ou deixar de avaliar impeachment, mas, sim, compreender que a pandemia é a prioridade de todos nós”, afirmou.

A pressão popular por um processo de impeachment vem crescendo. Para pressionar o presidente da Câmara a desengavetar os 60 pedidos, um panelaço está sendo organizado nesta sexta-feira (15), às 20h30, em todo o Brasil.