Cláudio Humberto: com trabalho, cursos ou leitura, Lula teria abatido 4 meses de pena e, hoje, estaria livre

BR: Em meio a críticas que sempre dedica ao ex-presidente Lula, o jornalista Cláudio Humberto, que atua em Brasília, fez contas que mostram que o líder petista poderia estar requerendo de imediato o regime de progressão de pena para semiaberto ou domiciliar. Bastaria ter usado uma estratégia que um de seus maiores aliados, e também um de seus piores inimigos, adotaram para reduzir suas penas: ler, trabalhar ou fazer cursos. Trata-se de um direito que todos os presos têm.

Acompanhe as notas de Cláudio Humberto, que foi porta-voz do então presidente Fernando Collor, o que explica sua aversão ao ex-presidente petista:

Avesso a leitura e trabalho, Lula perdeu a chance de ganhar liberdade com a decisão de ontem do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que reduziu sua pena para 8 anos e 10 meses de prisão. Se tivesse trabalhado desde que foi preso, em abril de 2018, Lula já teria abatido ao menos quatro meses da pena. Outras opções seriam submeter-se a cursos ou leitura de livros, tudo que o ilustre presidiário mais odeia.

A CONTA É SIMPLES

A pena de prisão é reduzida a cada três dias de trabalho, 12 horas de curso realizado ou por cada livro lido, com resumo apresentado.

PETISTA ESPERTO

O ex-braço-direito José Dirceu reduziu a pena em cerca de seis meses trabalhando e fazendo cursos no cárcere.

MACACO VELHO

O ex-deputado Eduardo Cunha foi além: fez até curso de mestre de obras, agricultura e resenha de livros. Reduziu a pena em oito meses.