Clã Bolsonaro paga à vista; Folha identifica doações em vivo a campanhas de Jair, Flávio, Carlos e Eduardo desde 2000 até 2014; associação com rachadinhas em gabinetes

O presidente Jair Bolsonaro e seus filhos fizeram doações em dinheiro vivo para suas próprias campanhas de 2008 a 2014. Reportagem da Folha de S. Paulo, publicada nessa 3ª feira (22.set.2020), mostra que as doações chegam a R$ 100 mil. Corrigido pela inflação, o valor é de R$ 163 mil.

Folha identificou os depósitos nos processos físicos das prestações de contas entregues à Justiça Eleitoral. O jornal analisou os valores recebidos desde 2000 pelas campanhas de Jair Bolsonaro e seus filhos, senador Flávio (Republicanos-RJ), vereador Carlos (Republicanos-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

A prática funcionava tanto por autodoação em dinheiro vivo quanto por depósitos em espécie feitos por 1 familiar em favor de outro. Em alguns casos, segundo o jornal, assessores também depositavam. Foram identificadas 5 campanhas em que o clã Bolsonaro injetou dinheiro em espécie.

São elas:

1) Carlos Bolsonaro, eleição para Câmara Municipal do Rio em 2008: R$ 35.000.

  • Carlos depositou R$ 10.000;
  • Flávio depositou R$ 10.000;
  • Bolsonaro depositou R$ 15.000.

2) Jair Bolsonaro, eleição para Câmara dos Deputados em 2010:

  • depositou R$ 10.000 em espécie para a própria campanha.

3) Carlos Bolsonaro, eleição para Câmara Municipal do Rio em 2012: R$ 22.000.

  • Carlos: R$ 10.000;
  • Jair: R$ 12.000;

4) Eduardo Bolsonaro, eleição para Câmara dos Deputados em 2014: R$ 30.000.

  • Carlos: R$ 10.000;
  • Jair: R$ 9.000;
  • Jorge Francisco (ex-assessor): R$ 11.000.

5) Jair Bolsonaro, eleição para Câmara dos Deputados em 2014: R$ 4.500 depositados pelo próprio presidente.

Folha identificou também outras doações feitas pela família cujo meio de transação não foi identificado nos processos físicos. Ou seja, não é possível saber se o valor foi depositado em espécie. Os valores somam R$ 73.000.

Em 2000, por exemplo, Carlos doou R$ 15.000 à própria campanha. Jair Bolsonaro colocou R$ 6.584 em sua campanha a deputado federal em 2002 e R$ 10.000 em 2014.

Eduardo repassou R$ 9.000 para sua campanha em 2014. No registro online do TSE, há a informação de que o valor foi depositado em espécie. No entanto, não pode ser confirmada no processo físico.

Além dos R$ 11.000 para a campanha de Eduardo Bolsonaro em 2014, Jorge Francisco depositou ainda R$ 10.000 para Jair Bolsonaro em 2010.