Campos Neto vê Brasil em ‘ponto de inflexão’ sobre credibilidade fiscal; equilibrar contas é fundamental para resgatar confiança e investimentos

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, disse que o Brasil está em 1 “ponto de inflexão” sobre a credibilidade fiscal. De acordo com ele, a retomada do equilíbrio das contas públicas com as reformas será fundamental para o país voltar a atrair investimentos e reduzir os juros futuros, que são balizadores do risco da economia.

Ele afirmou que será necessário convencer os operadores de mercado que haverá continuidade na agenda de ajustes. As declarações foram feitas nesta 2ª feira (19.out.2020) durante videoconferência promovida pelo Milken Institute, que publica pesquisas econômicas.

Atualmente a taxa básica de juros, a Selic, está em 2% ao ano –o menor patamar da história. Os operadores do mercado financeiro estimam que o percentual não mudará até o fim do ano, segundo o Boletim  Focus do Banco Central. Mas, a médio e longo prazo, a tendência é de que seja corrigido para patamares mais elevados.

Nesta 2ª feira (19.out.2020), os contratos juros futuros estão sendo negociados a 6,46% para janeiro de 2025 e a 7,37% para janeiro de 2027. O nível superior está associado ao risco fiscal da descontinuidade do ajuste fiscal e do descumprimento do teto de gastos. Os investidores têm preocupação com eventual descontrole das despesas e da dívida, que deve superar 100% do PIB (Produto Interno Bruto) neste ano, de acordo com o FMI (Fundo Monetário Internacional).

O governo federal teve que aumentar os gastos emergenciais no período de pandemia de covid-19. Também esboça a criação do Renda Cidadã, programa de assistência social aos mais vulneráveis. Ainda não é certo para os investidores como será feito o pagamento dos recursos, já que o teto de gastos limita o aumento de despesas.

“Estamos em 1 ponto de inflexão, em que é preciso passar essa credibilidade, retomar os investimentos privados”, disse Campos Neto. De acordo com ele, a dívida pública elevada cria incertezas que prejudicam a desenvoltura da economia e limitam o crescimento.

O Brasil já entrou na crise de covid-19 com o quadro fiscal preocupante. As despesas superam as receitas anualmente desde 2014 e o endividamento do país é considerado elevado para países emergentes.

Em 2019, o deficit nas contas foi reduzido em comparação com o ano anterior, assim como o deficit da dívida pública federal. Com a pandemia, Campos Neto disse que o país deixou a trajetória de equilíbrio fiscal para concentrar esforços na crise.

Segundo ele, o Brasil gastou mais do que a média dos países emergentes em 2020 com os custos emergenciais e agora é preciso convencer os agentes econômicos de que a disciplina fiscal será retomada.

Campos Neto foi indagado sobre o patamar atual do dólar pelo moderador Komal Sri-Kumar, que é membro sênior do Milken Institute e presidente da Sri-Kumar Global Strategies. Ele disse que o nível atual de juros justifica o patamar mais elevado da moeda norte-americana frente ao real.