Briga esquenta: Bolsonaro reclama de Maia por escalação de PSOL e PT para pacote anticrime; ‘Não vou ceder a ele’, diz em sua cozinha; ‘velha política’

BR: Na cozinha do presidente Jair Bolsonaro, quer dizer, no ambiente de sua intimidade política, a informação é a de que, se depender dele, a briga com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, vai mais longe. ‘Não vou ceder’, avisa o presidente a auxiliares mais próximos. Ele considera que a postura de Maia é o exemplo pronto e acabado da ‘velha política’, com o agravante de impor dificuldades ao pacote anticrime, em razão da nomeação dos deputados Marcelo Freixo (PSOL-RJ) e Paulo Teixeira (PT-SP) para o grupo de análise do pacote anticrime do ministro Sergio Moro. O gesto provocou ‘indisposição’ de Bolsonaro em relação a Maia.

É isso que está na cabeça de Bolsonaro, e mostra o quanto ele é estreito politicamente, istoé, não aceita nenhum tipo de ampliação a outros setores políticos. De esquerda então, é na faca. Foi assim com reconhecida Ilona Szabó, que foi expulsa de uma cadeira de suplente no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária na qual nem havia sentado, mas apenas nomeada na véspera por Sergio Moro.

Maia, com a mão direita e nitidamente para agradar Bolsonaro, deu a relatoria do projeto entregue a um integrante da Bancada da Bala, Capitão Augusto (PR-SP). Mas o capitão presidente achou pouco, pelo jeito, porque está dizendo nos bastidores que partir para o ataque a Maia, a quem se vai querer impor o carimbo da “velha política”. O presidente da Câmara está atento. Ele se mostra disponível à mídia para bater de frente com a estratégia de comunicação do clã Bolsonaro. “Eu não uso as mídia sociais para atacar ninguém”, disse ele neste sábado 23, em referência direta aos torpedos virtuais do presidente e seus filhos.