Brasileira de renome nos EUA pede fim da impunidade nas redes sociais; ‘Se estivesse no Brasil, estaria com medo”, diz Monica de Bolle

BR: Economista, pesquisadora e diretora do Programa de Estudos Latino Americanos da Johns Hopkins University, em Washington, Monica de Bolle chamou atenção nesta terça-feira 5 para o quadro deletério que vai sendo formado nas redes sociais. Com efeito, inúmeras manifestações nas redes são marcadas por ameaças e ataques pessoais com uso de palavrões, imagens violentas e escatológicas.

O filho do presidente Jair Bolsonaro, Carlos Bolsonaro, é um exemplo pronto e acabado desta situação. Durante a campanha eleitoral, ele publicou imagem de um homem com a cabeça ensanguentada envolta em um saco plástico, para simbolizar a prática de torturas. Nesta terça-feira 5, ele fez uma ameaça velada ao deputado federal Rogério Corrêa, do PT, dizendo que ele terá uma resposta “de outro jeito”, com tudo já “encaminhado”. Corrêa, por seu lado, escreve ‘Bolsonaro, vai tomar …’, igualmente um insulto.

“A cultura da impunidade nas redes não pode continuar”, postou Monica, numa posição que também quer que é preciso que se estabeleçam punições para quem usa a rede com a finalidade de ameaçar, humilhar ou pressionar o outro. À revista Época, diante do quadro generalizado de maus modos nas redes, Monica disse: “Se eu estivesse no Brasil, estaria com medo”.