Braga nervosinho com pergunta sobre descontentamento da base do Exército com mordomias e altos salários de oficiais; “Não existe insubordinação nas Forças Armadas. Não existe insubordinação”, esbraveja

 ministro da Defesa, Walter Braga Netto, se exaltou nesta 4ª feira (27.out.2021) ao negar insubordinação dentro das Forças Armadas. Ele foi questionado pelo deputado Glauber Braga (Psol-RJ) sobre uma suposta insatisfação dos soldados de patente mais baixa pelos salários dos generais.

Não existe insubordinação nas Forças Armadas”, afirmou. Nesse momento o ministro aumentou seu tom de voz. “Se houver insubordinação ela será punida. Não existe insubordinação nas Forças Armadas.”Publicidade

Braga Netto pediu que o ministro baixasse o tom. O ministro afirmou que não estava “sendo grosseiro”. E voltou a repetir: “Não existe hipótese de insubordinação”. Disse ainda que recebeu mais de R$ 100 mil em junho por pagamentos retroativos, incluindo seu 13º salário.

Braga Netto compareceu à Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados. O ministro foi convidado para falar sobre a PND (Política Nacional de Defesa) e a END (Estratégia Nacional de Defesa). Participaram também os comandantes da Marinha, Exército e Aeronáutica.

A questão da insubordinação foi retomada pelo comandante da Aeronáutica, Carlos Baptista Junior. “O Minsitério da Defesa é um ministério político. Os 3 comandantes que aqui estão são aqueles que detém o efetivo militar”, afirmou. “Não como se fazer isso com homens armados sem os pilares básicos da disciplina e da hierarquia.”

Baptista Júnior disse que afirmações sobre descontentamento salarial na tropa “é algo muito perigoso”. Segundo ele, a tropa é baseada em meritocracia e na hierarquia e os pagamentos são realizados com base nisso.

CPI DA COVID

Ao ser questionado sobre seu indiciamento na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), Braga Netto afirmou que o caso “é um grande equívoco”. Ele foi indiciado por epidemia com resultado morte no relatório final aprovado pelo colegiado.

Isso tudo já está documentado. Quando for requerido nós temos toda documentação para mostrarmos que aquilo ali é um grande equívoco, que aquilo ali não está correto”, afirmou.