Bolsonaro reage a atos com tuíte ameaçador: “Sempre foi pelo poder”; presidente destaca imagens de quebradeira na Avenida Paulista

O presidente Jair Bolsonaro se manifestou nesse sábado (3.jul.2021) sobre as manifestações contra seu governo registradas em diversas cidades do Brasil e do exterior.

Em seu perfil no Twitter, o chefe do Executivo publicou fotos de confrontos entre manifestantes e a polícia, em São Paulo, além de imagens de depredação de pontos de ônibus e de agências bancárias.Publicidadex

Nenhum genocídio será apontado. Nenhuma escalada autoritária ou “ato antidemocrático” será citado. Nenhuma ameaça à democracia será alertada. Nenhuma busca e apreensão será feita. Nenhum sigilo será quebrado. Lembrem-se: nunca foi por saúde ou democracia, sempre foi pelo poder!”, escreveu Bolsonaro.© Fornecido por Poder360

Receba a newsletter do Poder360todos os dias no seu e-mail

No encerramento do ato em São Paulo, um grupo depredou e incendiou uma agência bancária na região central da capital paulista. Outro quebrou vidros de uma concessionária de veículos e depredou pontos de ônibus. A fachada de uma universidade, na Rua da Consolação, foi danificada.

Policiais militares usaram bombas de efeito moral e spray de pimenta para dispersar os grupos. Os manifestantes atacaram os policiais com pedras, pedaços de pau, gradis e rojões. Segundo a Polícia Militar do Estado de São Paulo, um agente e um segurança da ViaQuatro, concessionária que opera a linha amarela do Metrô, ficaram feridos.

MANIFESTAÇÕES

Todas as capitais do Brasil registraram protestos contra o presidente Jair Bolsonaro nesse sábado (3.jul). Os atos, em sua maioria, foram pacíficos, exceto pela ação em São Paulo.

Os manifestantes levavam cartazes como “Mais de 520 mil mortes”“Fora Bolsonaro”,“Auxílio emergencial de verdade jᔓVacina para todos”“Impeachment jᔓNão tire a máscara, tire o Bolsonaro” e “Bolsonaro Genocida”, além de bandeiras do Brasil e do movimento LGBTQIA+.

Esse foi o 3º grande protesto contra o governo de Jair Bolsonaro em 2021. O 1º ocorreu em 29 de maio e o 2º, em 19 de junho. A manifestação desse sábado (3.jul) estava marcada para o fim do mês, mas foi antecipada por conta das suspeitas de corrupção na compra da vacina Covaxin.