Tabelinha Guedes-Bolsonaro sobre privatização da Petrobras pode empinar ações da estatal; presidente admite “simpatia inicial” por venda

BR: Depois de um tombo de 8% no valor de suas ações, em razão da intervenção do presidente Jair Bolsonaro na política de preços da Petrobras para o óleo diesel, o ministro Paulo Guedes, da Economia, insinuou ontem, em entrevista à Globonews, que o presidente teria levantado a sobrancelha para a ideia de privatizar a estatal. Hoje, em conversa com a jornalista Natuza Nery, também da Globonews, Bolsonaro admitiu ter “uma simpatia inicial” pela ideia da privatização.

Tanto Guedes quanto Bolsonaro sabem que, apenas nesses dois momentos, eles realizaram uma ação conjunta capaz de empinar os papeis da Petrobras, uma vez que a reação esperada do mercado a respeito da hipótese da venda da estatal deverá ser de euforia. Na Bolsa de São Paulo, com o feriado de amanhã, de Sexta-feira Santa, a prova de que a jogada dará certo será feita na segunda-feira 22. Já amanhã, porém, com a Bolsa de Nova York em funcionamento normal, as primeiras reações serão sentidas.

“Eu tenho, sim, uma simpatia inicial”, admitiu Bolsonaro em conversa com a jornalista Natuza Nery.

Desse modo, o que parecia muito distante, em razão, especialmente, da oposição dos militares ao gesto, ganhou aceleração.

A partir de um balão solto no ar pelo ministro da Economia, uma expressão de rosto e um sim, ainda que tímido, do presidente, a privatização da Petrobras acelerou sua ultrapassagem para se inserir como novo tema na pauta econômica nacional.