Bolsonaro avalia ir a manifestação de domingo, mas Doria, Moro e presidente do PSL negam participação e já tiram peso político dos atos

BR: O número será visto no domingo 26, mas o peso político das manifestações de apoio ao presidente Jair Bolsonaro já vai sendo perdido. Nesta terça-feira 21, o governador de São Pauo, João Doria, e o ministro da Justiça, Sergio Moro, anunciaram que não estarão presentes aos atos.

“Respeito a manifestação, mas não vejo necessidade”, disse Doria, com certa ambiguidade. “Entendo que nós precisamos de paz neste momento”.

O presidente do PSL, Luciano Bivar, anunciou que a bancada do partido no Congresso deverá ser reunir para decidir se apoiará formalmente os atos de apoio a Bolsonaro e à reforma da Previdência, mas disse que “essa manifestação não faz sentido” à medida em que todos os representantes populares foram eleitos democraticamente.

A maior parte das convocatórias pelas redes sociais acentuam que os atos serão feitos para marcar oposição ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal. Essas bandeiras assustaram ao ministro Sergio Moro, que avisou que não estará presente.

O presidente Jair Bolsonaro, enquanto isso, deixar correr a versão de que poderá ir a um dos atos marcados. 

Vai depender de quantas pessoas Bolsonaro calcular pela televisão estarem participando.