Biden ameaça resposta militar a eventual ação armada da China sobre Taiwan; democrata faz escalada inédita até para republicanos

Presidente dos EUA compara eventual investida contra Taiwan à invasão da Ucrânia pela Rússia. Dissuadir a China de um ataque é uma das razões por que é importante que Putin “pague um preço caro por sua barbárie”, diz.© David Mareuil/AP Photo/picture allianceBiden:

O presidente americano, Joe Biden, afirmou nesta segunda-feira (23/05), durante visita ao Japão, que os Estados Unidos interviriam militarmente se a China invadisse Taiwan

“O senhor não quis se envolver militarmente no conflito na Ucrânia por razões óbvias”, disse um repórter a Biden, durante coletiva de imprensa ao lado do primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, em Tóquio. “Está disposto a se envolver militarmente para defender Taiwan?”

“Sim”, respondeu Biden. “Esse é o compromisso que fizemos.”

Biden disse que qualquer esforço por parte da China para usar força contra Taiwan se trataria de uma ação similar à invasão da Ucrânia pela Rússia.

O presidente americano descarta um conflito militar direito com Moscou, mas enviou bilhões de dólares em auxílio militar que ajudaram a Ucrânia a impor uma resistência mais forte do que a esperada à ofensiva russa.

O líder americano afirmou que dissuadir a China de atacar Taiwan é uma das razões por que é importante que o presidente russo, Vladimir Putin, “pague um preço caro por sua barbárie na Ucrânia”. Assim, seria transmitida à China e a outros países a mensagem de que uma ação do tipo é inaceitável.

Continuar lendo