Base governista acéfala, tímida e ausente entregou Guedes aos leões da oposição na CCJ; onde estavam Joice, Onyx e os outros? No Twitter?

BR: Não é só desarticulação, mas falta de qualidade também. As principais figuras da base governista não deram as caras na audiência pública da CCJ da Câmara dos Deputados que teve o ministro da Economia, Paulo Guedes, como estrela principal. Ele, no entanto, não conseguiu brilhar. Ao contrário, saiu ofuscado pelo tiroteio verbal de deputados do PT, PSOL, PDT e PSB, sem que houve qualquer tipo de anteparo em sua defesa. Olhos arregalados, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, assistiu ao espetáculo sem esboçar reação.

O ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, não teve capacidade para ficar, em solidariedade, ao lado de Guedes, que teve como companheiro apenas o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho.

O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), limitou-se a passar a palavra de um para outro deputado da oposição, sem contestações. Mais parecia um secretário.

O relator, deputado Marcelo Freitas (PSL-MG), ao falar, acabou por elogiar a oposição, referindo-se “à excelência do debate dialético que nos faz avançar”.

Na mesma linha, antes, o líder do governo no Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-BA), limitou-se a tecnicalidades, não rebatendo acusações carimbadas sobre Guedes como “rentista”, “cruel” e “amigo de banqueiros”.

Estrela das redes sociais, a deputada Joice Hasselmann não apareceu nem para posar como ‘papagaio de pirata’ do ministro, isto é, nem para cumprimentá-lo e prestar sua solidariedade, a tempo de sair em alguma fotografia.

Com esse time, o que parece é que a base governista só sabe mesmo é atuar no confrto do Twitter. l