Autor de ‘Como as democracias morrem’ diz que “América Latina cheira cada vez mais como nos anos 1970”; alto risco de golpes, aponta Steven Levitsky

Pela primeira vez durante a minha carreira, a região começa a ‘cheirar’ cada vez mais como a América Latina dos anos 1970.” A frase é do cientista político e acadêmico Steven Levitsky, em entrevista à “BBC News Brasil“. Professor da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e co-autor do livro “Como As Democracias Morrem“, ele acredita que o cenário por aqui se assemelha cada vez mais ao de quando golpes militares eclodiram pelo continente.  

O pesquisador alerta que a proximidade do pleito presidencial de 2022 coloca o país sob um risco real de ver episódios de violência inflamados caso o presidente Jair Bolsonaro não aceite uma eventual derrota nas urnas. As reações se assemelhariam àquelas que aconteceram nos EUA quando o ex-presidente Donald Trump não aceitou a vitória do presidente Joe Biden. 

Os brasileiros elegeram alguém ainda mais autoritário do que Donald Trump. Jair Bolsonaro é uma das figuras mais autoritárias eleitas nas últimas décadas nas Américas“, afirma. 

No entanto, a aprovação extremamente baixa de Jair e a preferência dos militares de atuarem nos bastidores tornam improvável que a história se desdobre em favor de um levante de apoio ao atual presidente. 

– Pedro Pacífico, do ‘Bookster’, indica livros para manter a saúde mental

Se ele fosse popular, como Fujimori no Peru de 1991, ou Hugo Chávez na Venezuela dos anos 1990, talvez. Mas um Bolsonaro com 24% de aprovação… me surpreenderia. Alguns dos militares têm uma afinidade ideológica com Bolsonaro, mas, olhando a corporação como um todo, acho que é muito arriscado e muito custoso afundar com o navio — e o navio Bolsonaro está afundando.

Enquanto o nível de polarização estiver nos níveis que estamos vendo hoje, em certa medida semelhante ao que vimos nos anos 1970, a democracia estará em risco. Há muitas maneiras pelas quais uma democracia pode morrer, mas, em um contexto de extrema polarização, as chances de crise na democracia são sempre muito altas.