Comunicação do Planalto fica com 74% da verba retirada de Meio Ambiente, Cidadania e outros ministérios; autopromoção sim, coletividade não

A propaganda da Presidência foi a área mais favorecida no remanejamento de R$ 171,3 milhões do governo federal na semana passada, aponta o colunista Guilherme Amado, da revista Época. A comunicação do Planalto recebeu R$ 126,3 milhões, 74% desse repasse.

O dinheiro cairia bem em outros órgãos:  o Ministério da Justiça tem mais de R$ 1,2 bilhão bloqueado. Em meio às queimadas na Amazônia, o Ministério do Meio Ambiente está com R$ 195 milhões bloqueados. 

O outro órgão beneficiado no remanejamento foi o Ministério da Infraestrutura, especificamente na estatal Valec, com R$ 45 milhões.

O grosso do dinheiro foi tirado do Ministério da Cidadania — mais de R$ 100 milhões.

Entre as áreas afetadas, estão “promoção e fomento à cultura brasileira”, “aquisição e distribuição de alimentos na agricultura familiar” e “apoio a tecnologias sociais de acesso à água para consumo humano e produção de alimentos na zona rural”.