Até Jovem Pan desce do palanque de Bolsonaro em razão de “degradação da Presidência da República”

BR: Toda a admiração demonstrada pelo candidato Jair Bolsonaro nas eleições de 2018 pela unanimidade dos comentaristas políticos da rádio Jovem Pan – a emissora mais influente junto à classe média de São Paulo -, entrou em parafuso nesta quarta-feira 6. Um a um, os integrantes do programa ‘Três em Um’, carro-chefe da opinião da empresa de comunicação, não economizaram adjetivos para criticar a atitude do presidente ao divulgar em sua conta no Twitter cenas obscenas ocorridas no carnaval de São Paulo.

“A postagem mostra a degradação da comunicação da Presidência e também da própria Presidência da República”, afirmou o comentarista Carlos Andreazza, conservador de quatro costados e neto do ex-ministro Mario Andreazza (1918-1988), dos governos militares. “Com esse post, Bolsonaro chegou ao fundo do poço, o que esperar do próximo”, questionou.

A jornalista Vera Magalhães igualmente mostrou indignação frente ao presidente que, durante a campanha eleitoral, contava com o apoio velado da rádio em sua missão de derrotar os candidatos à sua esquerda. “O presidente está dando vários tiros no pé e esse foi mais um. Ele pode não perceber agora, mas com o tempo isso vai lhe custar caro em termos de popularidade”, disse ela.

O terceiro integrante do programa, Joel Pinheiro, igualmente aderiu ao coro. “Bolsonaro demonizou o carnaval, intensificou, potencializou e disseminou uma cena que não deveria ter a repercussão de um presidente da República”, alinhou.

Andreazza, ainda movido pela costumeira indignação cívica, apontou reflexos das atitudes de Bolsonaro na aprovação da reforma da Previdência. “O presidente passou o carnaval tratando de temas absolutamente laterais e não falou nenhuma vez nos últimos tempos, a não ser em termos protocolares, da reforma da Previdência. É como se ele tivesse lavado as mãos sobre esse assunto”, comparou.