Artigo: A economia e o respirador mecânico; “Desigualdade não poderá ficar mais debaixo do tapete”, escrevem Carlos Melo e Marcelo Tognozzi

Carlos Melo e Marcelo Tognozzi para www.poder360.com.br

A constatação é inevitável: o mundo já não é mais do mesmo. O baque sofrido pelos principais agentes econômicos do Ocidente, devotos do modelo liberal instalado há mais de 40 anos, quando Ronald Reagan mudou para a Casa Branca e Margareth Thatcher para o número 10 da Downing Street, foi veloz e certeiro como estes tempos de globalização e redes sociais. Mas desta vez o vírus não era virtual. Parece favas contadas que os Estados terão presença muito maior tanto na promoção social, quanto no estímulo à economia, como na intervenção em mercados até aqui descoordenados e livres para pintar, bordar e promover suas próprias crises.

O mundo foi para a UTI e o respirador mecânico atende pelo nome de keynesianismo. Impostos serão elevados, e, certo ou errado do ponto de vista exclusivamente econômico, os ricos e os fluxos financeiros serão taxados. Desta vez não adianta contar com os remediados e os pobres, porque eles estão fora de combate, feridos pelo desemprego, a falta de perspectivas, a depressão e a raiva. Se o Estado não se ocupar deles, alguém se ocupará; aventureiros populistas, por exemplo. Não há voos para Miami, Paris ou Londres. Quando eles voltarem a existir pode ser tarde demais.

Claro que isto não terá o efeito pretendido se o sentido de urgência for trocado pela permanência de uma ação limitadora, porque o grande capital tende a buscar o aconchego de zonas e países capazes de oferecer maiores garantias de segurança e liberdade. Por isso, é possível apostar na articulação de uma grande aliança entre as grandes potências — EUA, Alemanha (liderando a União Europeia), China e Rússia — além das economias mais relevantes.

Neste cenário, a Quarta Revolução tecnológica e o controle das comunicações, a Internet das coisas, serão estratégicos e suscitarão alianças políticas dos mais variados tipos. Também a produção de alimentos para o mundo tende a entrar nesse cálculo. Surgirão efeitos geopolíticos também e, neste campo, o Brasil é um player relevante como um dos maiores produtores mundiais de alimentos. Não se trata de uma nova guerra-fria, mas de tensões constantes, resultando em grande volatilidade e com ingredientes como o ciberespaço e a biodefesa. Será a volta da supremacia da política, não pelo voto; mas pela formação de consensos, seja por uma construção gradativa, seja pela força.

A crise que toca lá, também toca aqui: o Brasil não escapará desse processo. Além de todos os desajustes historicamente presentes na economia do Estado brasileiro, aos quais nos últimos anos o mercado financeiro tem dado importância imperativa, o país não mais poderá se omitir em relação às questões sociais. Os principais atores econômicos e políticos terão de levar a sério demandas antigas e recorrentes nas pesquisas de opinião como saúde e educação.

Não se poderá mais jogar para debaixo do tapete ou para atrás dos tapumes nossa brutal desigualdade, esta vergonha nacional que sensibiliza a classe média que em certo momento votou num operário; em outro, na perspectiva de um projeto de combate à corrupção, mas eternamente ignorada por elites absolutamente insensíveis. O mundo mudou. Ou mudamos junto ou o Brasil será condenado a uma era de apenas duas classes sociais: os muito ricos e os muito pobres.

Por último e não menos importante, precisamos urgentemente de políticas públicas voltadas para o futuro como a Educação, agora ajustada ao mundo moderno onde as famílias precisam da escola para garantir que os pais possam trabalhar e os filhos possam se alimentar adequadamente e receber cuidados com a saúde. Escola pública não pode ser um local onde as crianças pobres vão apenas para comer, mas acima de tudo para se tornarem cidadãos produtivos, criativos, preparados para serem uma solução – jamais um problema.

Goste-se ou não disto, também aqui uma maior — bem maior — ação estatal se fará inevitável. Intervenções, regulações, incentivos corretos (ou apenas necessários) virão “não por boniteza, mas por precisão”. Um estado e uma política keynesianos, na qual o gasto de hoje significa garantir a arrecadação de amanhã com a economia rodando, os empregos e o consumo.

Contudo, não se faz keynesianos da noite para o dia: ultraliberais programados com o chip do Estado mínimo não são os melhores guerreiros para este desafio. Este chip é incompatível, não roda num programa onde o Estado é obrigado a segurar as pontas do cidadão e das empresas para que a sociedade não desmorone — como aliás, a crise do Coronavírus já vem demonstrando.

A atual equipe econômica será, ao fim e ao cabo, substituída pela História. O país precisará encontrar novos atores, técnicos e economistas que ao mesmo tempo conheçam a máquina pública, reconheçam a necessidade de sua ação mais efetiva e ao mesmo tempo sem incompatibilidades com a economia de mercado para que ela possa respirar ao invés de sufocar. Ou seja, operadores da economia e do Estado, sem preconceitos para ora agir por um, ora estimular o outro.

O Brasil tem quadros bastante qualificados e capazes, suficientemente flexíveis intelectualmente para empreender esse processo, com competência e transparência, com sentido elevado do serviço público. Gente espalhada pelas universidades públicas e privadas ou mesmo administrando fundos e a economia real, sem problemas nem amarras ideológicas ou dogmáticas.

Acontece que sem Franklin Roosevelt John Maynard Keynes não teria existido. O primeiro foi a prática e, o segundo, a teoria. Também a liderança política precisa estar qualificada para esse desafio: despida de interesses de curto prazo, com sensibilidade para compreender e eficiência para agir. O coronavírus é uma espécie de cisne negro do livro de Nassin Taleb, inesperado e incontrolável. O mundo mudou e tirou todos nós da zona de conforto, jogou por terra planos e sonhos. Quem, como o presidente da República, resiste às mudanças arrisca a liderança e o cargo. Keynes dizia que “a tarefa de mudar a natureza humana não deve ser confundida com administrá-la”.  Roosevelt é o exemplo do líder capaz de domar o inesperado e dar fôlego a uma economia que apenas suspirava.