Aras se faz de conciliador ao Senado, mas ataca Lava-Jato e imprensa; recondução deve ser aprovada

Durante a fala inicial da sabatina para a sua recondução ao cargo, o procurador-geral da República Augusto Aras criticou a operação Lava Jato, a imprensa e afirmou que pautou sua atuação pela independência e parcimônia.

Alinhado a Jair Bolsonaro e apontado como excessivamente leniente em relação aos atos do presidente da República, Aras disse que optou por uma atuação mais discreta e técnica, não contribuindo para acirrar os ânimos em um momento de polarização política.

“Acredito que a eficiência na atuação do PGR não deve ser mensurada por proselitismos ideológicos, operações policiais espetaculosas ou embates na arena política”, disse o procurador-geral.

Aras não citou em sua fala inicial as críticas de proximidade com o Palácio do Planalto. Buscou mostrar a independência ao afirmar que analisou criteriosamente todas as denúncias-crime que chegaram à PGR e que deu prosseguimento após esse processo, quando era o caso.

O procurador-geral também criticou as operações “espetaculosas” e defendeu a sua medida de centralizar os dados reunidos pelas procuradorias ligadas à Operação Lava Jato, o que muitos críticos apontaram como o golpe mais duro na operação. “O modelo das forças tarefas, com pessoalização, culminou em uma série de irregularidades, tais como os episódios revelados pela na Vaza Jato, a frustrada gestão de vultosas quantias arrecadadas em acordo de colaboração e acordos de leniência, por meio de fundos não previstos em lei”, afirmou.

Aras também rebateu a crítica de não se posicionar em momentos delicados da vida política. “É dever dos membros do ministério público, mesmo com a liberdade de expressão que toque o exercício de sua atividade finalística não buscar os holofotes e nem buscar manifestar opinião pública”.

Nesse momento, afirmou que parte da imprensa “abraça o jornalismo descomprometido com a credibilidade das fontes e descuidado em conferir a veracidade das premissas”.