DF - FERNANDO BEZERRA COELHO/PF/BUSCAS/ARQUIVO - POLÍTICA - Foto de arquivo de 12/08/2019 do líder do governo no Senado, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), durante entrevista em Brasília. A Polícia Federal (PF) realiza na manhã desta quinta-feira, 19, operação de busca e apreensão em endereços ligados a Fernando Bezerra Coelho em Brasília. A operação foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e o inquérito está sob sigilo. Bezerra foi ministro da Integração do governo Dilma Rousseff, quando ainda estava no PSB, e foi líder de Michel Temer no Senado no ano passado. Em Pernambuco, seu reduto eleitoral, foi secretário no governo de Eduardo Campos, morto em 2014. 12/08/2019 - Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Aras engaveta por 3 meses inquérito por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa contra líder do governo; Fernando Bezerra Coelho tranquilo

Relatório final do inquérito em que a Polícia Federal indiciou o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa aguarda há três meses manifestação da Procuradoria-Geral da República. Cabe a Augusto Aras oferecer denúncia, arquivar ou pedir novas diligências.

LEIA MAIS:

1 – VÍDEO – Bemvindo Sequeira: “Temer ressuscitado, Bolsonaro calado!”

2 – Corretora de imóveis acionada por débito no IPTU, vice de Mamãe Falei em 2018 quer conselho do Ibirapuera

Aras “esqueceu”

De acordo com o site do Supremo Tribunal Federal, o caso está à disposição da PGR desde 8 de junho.

PF afirma em seu relatório final de 300 páginas ter encontrado indícios de que Bezerra e um de seus filhos receberam R$ 10,4 milhões em propina de empreiteiras.

A PGR não respondeu ao Painel se há expectativa sobre uma manifestação no caso.

Com informações da Coluna Painel da Folha de S.Paulo.