Apesar do pacote de R$ 2 bi para estradas, caminhoneiros já falam em greve para 21 de maio

O pacote anunciado na manhã desta terça (16) pelo governo Jair Bolsonaro (PSL) não contemplou os caminhoneiros que podem deflagrar greve dia 21 de maio.

Os caminhoneiros autônomos reivindicaram principalmente a redução no preço do diesel, mas o governo apenas acenou com empréstimos para trocar os pneus de seus veículos.

Os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Tarcísio Freitas (ministro da Infraestrutura), na entrevista coletiva convocada, em nenhum momento falaram na política de preços dos combustíveis.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro quer ‘ganhar tempo’ com caminhoneiros e promete linha de crédito para a compra de pneus

Quanto os palacianos foram inquiridos, eles saíram pela tangente dizendo que esse assunto seria tratado hoje à tarde em reunião com presidente da Petrobras e o presidente da República.

O diabo é que o dirigente da estatal de petróleo, Roberto Castello Branco, já desautorizou Jair Bolsonaro ao afirmar ontem que a Petrobras é ‘livre’ e tem ‘vida própria’ para estabelecer sua política de preços, isto é, irá manter o roubo atrelando os aumentos ao dólar e à cotação internacional do óleo.

Por sua vez, os caminhoneiros reafirmam a decisão de promover a greve nacional no próximo dia 21 de maio. 079000