Aos 6 meses de poder, Bolsonaro resgata agenda típica de campanha eleitoral para se manter em evidência

Seis meses depois de tomar posse como presidente, Jair Bolsonaro retomou o clima de campanha eleitoral. Nas últimas semanas, ele intensificou a agenda de atos públicos em diversas cidades brasileiras. O contato quase diário com a imprensa, como costumava fazer em seu périplo pelo País no ano passado, voltou a fazer parte da agenda. Também repetindo 2018, sua assessoria tem distribuído a jornalistas, por WhatsApp, vídeos que mostram o contato de Bolsonaro com apoiadores entusiasmados. A modulação na postura, depois de um início de governo restrito ao Palácio do Planalto, ocorre após pesquisas de op inião indicarem queda nos índices de popularidade. Desde o início deste mês, Bolsonaro saiu nove vezes de Brasília. Passou por dez cidades diferentes. A capital paulista, a mais populosa do País, entrou quatro vezes no roteiro presidencial. O giro incluiu um destino internacional: Buenos Aires.

Na mais recente viagem oficial, quando participou da Marcha para Jesus em São Paulo, Bolsonaro afirmou que tentará novo mandato em 2022 “se não tiver uma boa reforma política” e “se o povo quiser”. O presidente tem demonstrado bom humor nas agendas públicas. Nas viagens, ele tem sido recebido por apoiadores, como no passado, aos gritos de “mito”. Nas imagens divulgadas pelos assessores, Bolsonaro costuma aparecer cumprimentando a população ou em situações mais íntimas, como cantando com a mãe em Eldorado.

Até mesmo a agenda do presidente lembra a do candidato. Recentemente, em menos de dez dias, Bolsonaro foi três vezes a estádios assistir a partidas de futebol. Ontem, ele fez um tour por clubes de Brasília. Antes, parou em um supermercado no bairro onde morava quando era deputado, onde disse que “sempre fazia compras”. O ajudante de ordens do presidente carregou a cestinha e colocou seis shampoos, a pedido dele. Os produtos foram pagos pelo auxiliar.