Ao colocar culpa em voto ‘não auditável’, Bolsonaro admite que pode não concorrer em 2022; “Passo a faixa para qualquer um, mas participar de uma eleição com essa urna eletrônica…”

O presidente Jair Bolsonaro retomou as críticas ao Tribunal Superior Eleitoral e ao ministro Luís Roberto Barroso, que está à frente da Corte, aponta O Globo (5). Em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que “eleições não auditáveis” são uma “fraude”.

Aliados e auxiliares vinham aconselhando o presidente a buscar um “cessar fogo” para atravessar as turbulências da CPI da Covid. O grupo mais próximo a Bolsonaro admitia, porém, que era impossível prever quanto tempo a trégua duraria. Ontem, Bolsonaro relacionou duas decisões do STF sobre o ex-presidente Lula com uma suposta irregularidade no TSE. “As mesmas pessoas que tiraram o Lula da cadeia e tornaram o Lula elegível vão contar, dentro do TSE, de maneira secreta. Agora, eleições não auditáveis, isso não é eleição, isso é fraude”, afirmou. Bolsonaro insinuou que pode não disputar a eleição de 2022. “Se eu disputar a eleição, eu entrego a faixa para qualquer um. Uma eleição limpa. Agora, participar de uma eleição com essa urna eletrônica…”, ressalvou.