Aliado de Guaidó, López se refugia na embaixada do Chile; governo reprime e prende; tentativa de derrubada de Maduro pode fracassar

A chancelaria chilena confirmou na tarde desta terça-feira, 30, que o opositor Leopoldo López, sua mulher Lilian Tintori, e os filhos estão abrigados na condição de hóspede na residência diplomática da embaixada em Caracas.

Prisões

Segundo a ONG Foro Penal Venezuelano, que monitora os protestos contra o chavismo na Venezuela, ao menos 11 pessoas foram presas nos protestos de hoje. Cinco delas em Maracaibo, em Zulia, duas em San Cristóbal, em Táchira, duas no Estado de Lara e duas no Estado de Carabobo.

Mourão vê ‘tudo ou nada’

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, avaliou que a oposição venezuelana ao governo Nicolás Maduro partiu para o “tudo ou nada”. Quando indagado qual era o diagnóstico para a crise na Venezuela que escalou vários degraus, Mourão afirmou: “O [Juan] Guaidó e o Leopoldo Lopez foram para uma situação que não tem mais volta, não há mais recuo. Ou eles vão presos ou o Maduro vai sair”.

Após participar de uma reunião de emergência, na tarde desta terça-feira, com a cúpula militar brasileira e com o presidente Jair Bolsonaro, Mourão disse a jornalistas que a situação ainda está confusa, mas que é necessário aguardar para que os fatos se tornem mais claros nos próximos dias.

O vice-presidente já foi adido militar na Venezuela. Neste ano, ele foi a voz mais moderada do Brasil no Grupo de Lima, quando defendeu a não intervenção militar no país. A postura permanece a mesma.